A Cia PlastikOnírica se apresenta neste final de semana em São Roque

Composto por Larissa Miyashiro e Pedro Cobra o grupo se apresentará na Praça da Matriz, na sexta-feira, dia 19 de julho, das 14h às 17h e no sábado, 20 de julho, no calçadão da rua Dr. Stevaux, das 10h às 13h.

Popularmente chamado de Teatro Lambe-Lambe, as apresentações duram aproximadamente 5 minutos e são individuais, para um público de uma pessoa por vez.

Teatro Lambe-Lambe, também conhecido como Teatro de Miniaturas, é uma linguagem de formas animadas que ocupam um espaço cênico mínimo formado por um palco em miniatura confinado em uma caixa preta de dimensões reduzidas. Nesse espaço são apresentadas peças teatrais de curtíssima duração através da manipulação de bonecos, para um espectador por vez.

A Cia. PlastikOnírica nasce em 2014 na fronteira entre o Teatro, as Artes Visuais e a Música. Nesta mestiçagem artística, a companhia se dedica em suas criações à pesquisa e ao desenvolvimento das disciplinas do Teatro de Formas Animadas, em especial das linguagens do Teatro Visual e do Teatro Lambe-Lambe.

Desde 2015, a Cia. PlastikOnírica participou com seus espetáculos de diversos festivais e mostras teatrais no Brasil, Chile, França, Inglaterra, Portugal e Espanha.

A realização é da Divisão de Cultura do Departamento de Educação da Prefeitura da Estância Turística de São Roque com apoio da Purepele e Padaria Colonial.

Os espetáculos que serão apresentados para a população de São Roque são: “A Fiandeira” e “Saudade”.

A Fiandeira

Construída a partir da expressividade e dos simbolismos do material fio, a dramaturgia do espetáculo apresenta imagens que evocam a ancestralidade das forças femininas criadoras do universo. A figura da grande Deusa Aranha que fia e tece os destinos dos homens e das mulheres guia o espectador e a espectadora numa viagem cósmica e íntima para além das fronteiras da vida e da morte, do real e do imaginário.

Saudade

Construída somente pelo jogo entre as ações do boneco manipulado com a trilha sonora e com o espaço de dentro da caixa do Lambe-Lambe a dramaturgia apresenta um ser solitário que percebe um grande buraco no peito. Buscando a razão de sua solidão numa carta, o boneco se vê entre ficar e partir, entre a espera do retorno e a busca deste motivo, desta pessoa, deste tempo, momento ou lugar que alimentam e saciam esta falta: sua saudade.