A mentira do pneu furado

Esta história é contada como verídica e teria se passado com alunos de um curso de engenharia em Minas Gerais.

Quatro amigos viajaram num final de semana e como a “zoeira” estava muito boa, resolveram ficar até segunda-feira à noite. Distraídos pela programação, esqueceram que na manhã daquele dia, tinham uma prova importante. Na viagem de volta, ao se lembrarem do compromisso, eles inventaram uma historinha para sensibilizar o professor na sala de aula.

– Professor – disse um deles -, fomos viajar neste final de semana e na volta furou um pneu, só aí, que a gente viu que no nosso carro não tinha a chave de roda para trocar o pneu. Como era um lugar quase deserto, só conseguimos ajuda na manhã da segunda- feira, o que nos atrasou a ponto de perder a prova. Um outro foi logo acrescentando:

_ O senhor pode ver aí a sua programação e se puder, nos dar a prova?

O professor, sempre compreensivo, diz;

– Sem problemas, meninos, vamos fazer isso agora mesmo.

– Agora? Perguntaram eles, preocupados.

– Fiquem tranquilos, serão apenas duas questões e eu tenho certeza que vocês não terão dificuldades.
Sem outra opção, os rapazes tiveram que concordar. O mestre então preparou uma provinha rápida e colocou cada aluno em uma sala diferente, sem qualquer chance de comunicação entre eles. Depois de separados e sem comunicação, entregou a prova a cada um deles. Quando leram as duas questões quase enfartaram. A prova era a seguinte:

Questão n° 1 – Escreva algo sobre “Equação de Navier Stokes” – Vale só meio ponto.

Questão n° 2 – Qual pneu furou? Vale nove pontos e meio. Esta é a questão que os aprovarão.

Moral da história, “a mentira tem pernas curtas”. Ultimamente em nosso país o que mais temos ouvido são mentiras. Quase 100% delas ditas por pessoas em quem depositamos nossa confiança nas urnas e nos representam politicamente incorretos.

Sem falar daqueles que já saíram e continuam dizendo com a maior cara de pau, “não sabia de nada, não vi nada”, etc. Não estranhem se você daqui a alguns dias ouvir a frase: “não sei quem colocou aquele apartamento no meu nome e também não sei como esse dinheiro foi parar no meu bolso”.

Lula e Palocci, por exemplo, que desrespeito com o Magistrado Sergio Moro. Um denuncia e o outro desmente e ainda agridem com gritos as autoridades. Onde iremos parar com essas mentiras todas por pessoas que já enganaram e roubaram o país?

Agora é possível que ainda voltem a governar e quem seja preso por descobrir falcatruas sejam nossos honestos juízes.

Abraços do Bispo Cláudio Gonçalves que não foi beneficiado por nenhum empresário e nunca tirou mais de 30 milhões da pobreza a custa de colocar outros 150 milhões. Cambada de Pinóquios!