A queda das máscaras

Persona era o nome da máscara que os atores gregos usavam em seus trabalhos, e serviam para construírem seus personagens. Daí, segundo os relatos, originou-se a palavra personalidade, que é um conjunto de características psicológicas que determinam os padrões de pensamentos, sentimentos e atitudes das pessoas, tendo a ver com a individualidade de cada um.

Tal como nos teatros gregos, o homem da atualidade constrói para si uma máscara para se posicionar no meio em que vive, a qual não necessariamente representa sua verdadeira natureza. Quando no jargão popular ouvimos dizer que a máscara de tal pessoa caiu, o que está sendo dito é que a verdadeira natureza dela ficou exposta, e que a aparência que usava para se representar era uma mera fantasia, uma coisa falsa.

Essa abordagem é necessária para entendermos o que está acontecendo com nosso mundo político, no qual está caindo uma máscara atrás da outra, fazendo com que o cidadão não saiba mais no que ou em quem confiar. Hoje podemos ouvir as palavras de determinado “figurão”, as quais se identificam com aquilo que ele sempre mostrou ser. No entanto, para nossa surpresa, no dia seguinte esse sujeito pode ser desmascarado, e o que veremos nele, agora de “cara lavada”, é o oposto de tudo aquilo que sempre apregoou.

As delações premiadas se tornaram um dos mais poderosos instrumentos a serviço da verdade, uma vez que elas conseguem em instantes jogar por terra as imagens falsas de diversos ícones, antes intocáveis, que sempre ostentaram a pose de celebridades.

E assim constatamos, o quanto sempre fomos enganados por personagens de falas empolgantes, boa aparência e aura de “patriotas”.

Presidentes que nunca foram o que diziam serem, empresários de sucesso cujo progresso era embasado na corrupção e não na competência e no trabalho sério, vereadores, prefeitos, deputados e senadores, cujas palavras “nunca poderiam ser escritas”, etc. Que há muitas pessoas sérias em meio a essa bagunça, ninguém duvida, o grande problema é podermos separar “o joio do trigo”, como é dito nas sagradas escrituras.

A humanidade está entrando na era da verdade, e nada vai ficar escondido. Estamos vendo isso acontecer em todos os lugares do mundo, e não apenas aqui, onde tanta sujeira está sendo exposta. Quando decidimos fazer uma faxina dentro da nossa casa, o primeiro procedimento é remover todo o lixo acumulado, e se desfazer das coisas inúteis. Se essas ações forem feitas a contento, teremos um ambiente limpo e saudável, mas, se por preguiça, varrermos o lixo para baixo do tapete, estaremos apenas enganando a nós mesmos, e protelando o inevitável trabalho futuro.

Que caiam todas as máscaras e que as verdadeiras índoles dos representantes do povo sejam finalmente reveladas. Tudo pelo bem do Brasil e de seu povo.

Texto: Disney Medeiros Raposo