AgroNotícias por Mauricio Picazo Galhardo

MAÇÃ. A colheita de maçã da safra 2017/18 se encerrou nas últimas semanas de maio nas regiões mais quentes e, em meados de junho, nas mais frias. No total, foram produzidas cerca de 1,1 milhão de toneladas. As frutas da temporada 2017/18 apresentaram boa qualidade, porém, houve um maior número de maçãs acometidas pelo russeting (manchas escuras na casca). Vale destacar, ainda, que o cancro europeu, relatado nos últimos anos, tem sido controlado.

LARANJAS. Com a menor produção de laranjas em 2018/19, a necessidade de matéria-prima continuou elevada nas indústrias paulistas no decorrer de 2018. Contudo, apesar de positiva, a rentabilidade ao citricultor ainda deve ser limitada nesta temporada, devido à redução na produtividade. No mercado in natura, os preços da laranja estiveram em bons patamares, superando os de 2016 em quase todos os meses (ano em que a produção do cinturão citrícola também foi baixa).

BATATA ROXA. Cientistas de Cusco, no Peru, desenvolveram uma variedade de batata apelidada de “Kulli”, que contém altos níveis de ferro, zinco e antioxidantes, com o objetivo de combater a desnutrição e a anemia nas regiões mais pobres do país e do mundo. A batata Kulli foi desenvolvida pelo melhoramento convencional, neste caso, pela seleção e cruzamento das melhores batatas com as características desejadas.

DEFENSIVOS. O período para as primeiras lavouras de arroz implantadas no Rio Grande do Sul é de realizar a última aplicação de fungicida e inseticida. A recomendação da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) é a de que o produtor deve, obrigatoriamente, obedecer aos períodos de carência e aos períodos recomendados para a cultura do arroz para que seja colhido um produto livre de qualquer resíduo de agroquímicos.

SOJA. Terceiro maior produtor de soja do mundo, a Argentina espera retomar o protagonismo neste próximo ciclo agrícola 2018/2019. Conforme último levantamento publicado pela Bolsa de Cereais de Buenos Aires, a área estimada de plantio será de 17,9 milhões de hectares, com previsão de colher 53 milhões de toneladas. Até o momento, 68% da área já foi semeada no país vizinho.

TRIGO. A safra de trigo na Rússia durante o ano de 2018 diminuiu 16% em relação ao período anterior. Nesse cenário, a produção do cereal russo caiu para 72 milhões de toneladas, segundo estimativas preliminares do Serviço Estatal de Estatísticas da Federação Russa (Rosstat), em seu boletim que foi divulgado no dia 27 de dezembro. O dado fica ainda mais considerável quando se é levado em consideração os números de produção de 2017.

LEITE. A oferta da produção leiteira do Brasil deve melhorar em 2019 depois de um período de preços baixos e custos elevados, motivados pela paralisação dos caminhoneiros que acabou fazendo com que o preço das rações aumentasse. De acordo com o relatório de expectativas do agronegócio brasileiro para no ano que vem, a recuperação é notável.

ALGODÃO. O ritmo de comercialização de algodão em pluma continua bastante lento no Brasil, visto que boa parte dos agentes consultados pelo Cepea se afastou do mercado para as festas de final de ano. Além disso, neste mês, vendedores têm priorizado as entregas dos contratos realizados anteriormente, também influenciando a liquidez. Nos poucos negócios em andamento, o interesse de compra se mostra levemente mais evidente que o de venda, o que acabou sustentando as cotações no mercado interno nos últimos dias.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. Tereza Cristina deu posse aos novos secretários da pasta. A nova ministra do Ministério da Agricultura, Tereza Cristina, fez pronunciamento quarta, dia (2), às 11 horas, no auditório Olacyr de Moraes, edifício sede. Em seguida, deu entrevista à imprensa no auditório Senador Jonas Pinheiro, no MAPA.

CULTURA DO MÊS. No mês de Janeiro o destaque é para o Agrião. Assim como a maioria das verduras de folha, o agrião é um vegetal de baixo valor calórico, fornecendo 22 calorias em cada 100 gramas. Ele é considerado uma das principais fontes de vitamina A, essencial para a boa visão e para manter a saúde da pele, também por suas propriedades tônicas e estimulantes, o agrião pode abrir o apetite.

EDITOR. O jornalista Mauricio Picazo Galhardo tem 61 anos, é paulistano. Esteve por dois anos morando no exterior; na República Oriental do Uruguai, República do Paraguai e República Argentina. Em 2013 se interessou pelo setor do agronegócio, onde agora tem esta coluna semanal de noticias do agronegócio em geral, que é publicada em 8 jornais. Também é o autor do quadrinho semanal Agro-Cartoon, publicado no site: www.agro-cartoons.blogspot.com.br.
(Texto(s): Hfbrasil, Agrolink, Cepea, MAPA)