Após um ano sem solução Marginal será reconstruída

Com base nos apontamentos do laudo técnico emitido pelo Instituto Geológico do Estado de São Paulo na última segunda-feira, dia 13, o prefeito Cláudio Góes decidiu fazer a contratação direta para reconstrução do trecho da Avenida Antonino Dias Bastos, a Marginal, danificado após as fortes chuvas em março de 2016.

O processo que iniciou em janeiro deste ano, já teve cinco das seis etapas aprovadas para que as obras comecem. “Os técnicos deixaram claro que a avaliação emergencial de risco é iminente, com necessidade de providências imediatas”, informou a prefeitura em nota oficial.

A partir de agora, a tramitação do processo, fica nas mãos do Departamento de Planejamento que trabalhará com o Departamento de Administração em busca de propostas das empresas que possam se interessar em executar a reconstrução da Marginal. Definida a empresa, o início da obra já será anunciado.

O resultado do laudo do IG uniu-se a outras avaliações feitas pela ASSEA – Associação dos Engenheiros e Arquitetos da cidade de São Roque e pela equipe de Obras e Planejamento da prefeitura, além da permissão legal para contratação direta, analisada pelo Departamento Jurídico. As licenças necessárias para o processo DAEE e a dispensa de autorização da CETESB foram conseguidas em janeiro e fevereiro, respectivamente. Além disso, o projeto social também foi aprovado.

Com investimento total de R$ 3,2 milhões, a reconstrução da Marginal teve os recursos disponibilizados pelo Ministério das Cidades, por meio da Caixa Econômica Federal, com contrapartida da prefeitura R$ 40.576,95. O crédito adicional foi aprovado pelo Legislativo nesta semana.

O trecho da via a ser reconstruído tem 210 metros de extensão, e será refeito com o emprego de grandes aduelas de concreto, além de paisagismo, infraestrutura e pavimentação. O período de fortes chuvas que se aproxima aumenta ainda mais o risco de deslizamentos e do surgimento de novas erosões e infiltrações.

“É iminente o risco para os imóveis da circunvizinhança, ao trânsito e aos pedestres, justificando a necessidade de providências imediatas, que, aliás, já deveriam ter sido tomadas pela gestão anterior, ou seja, logo após o desastre de março de 2016. Trata-se de ato arrojado, para que o trecho danificado seja recuperado o quanto antes e que elimine, de uma vez por todas, esse problema que está sendo gerado para a população de São Roque”, informou a equipe da Administração Municipal em nota.