As manipulações nas redes sociais

As redes sociais se constituem em poderosa ferramenta para manipular a opinião pública, e isso vem acontecendo de forma “escancarada”, afrontando o bom senso e o questionamento da “voz do povo”, em países de diversos níveis de desenvolvimento.

Lembrando as eleições dos Estados Unidos, quando a vitória de Donald Trump foi e ainda é questionada, e o referendo do Brexit no Reino Unido, também sob suspeita, podemos ver o quanto são poderosas essas redes. Elas possuem o poder de mudar opiniões, fazendo com que o que é verdadeiro passe a ser tido como mentira, e muitas mentiras passem a ter autenticiidade. As fake news são uma praga que invadiu diversos meios de comunicação, tirando-lhes a credibilidade, e levando as pessoas a não confiarem mais naquilo que lhes é relatado. Uma mentira publicada nessas redes tem o poder de mudar o rumo da história para muitas pessoas, e até que uma inverdade seja desmascarada, “muita água passou por debaixo da ponte”.

Entre 2010 e 2018 as eleições de pelo menos 48 países foram afetadas por campanhas que influenciaram os cidadãos em polêmicas políticas, e manipularam o debate público nas redes sociais. É o que mostra um relatório divulgado pelo Instituto de Internet da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Os analistas internacionais não deixam de citar o Brasil, onde empresas privadas, políticos e partidos, influenciam de forma decisiva os debates públicos através dessas redes.

Técnicas de divulgação foram desenvolvidas para atingir os objetivos desejados, sendo utilizado o sentimento de ódio para marcar pontos importantes. Comentaristas voltados para esse fim são inseridos estrategicamente nos assuntos relevantes com a finalidade de conduzir as opiniões para o rumo desejado. Eles atuam em diversas plataformas, desde as mais famosas, até os inúmeros blogs espalhados pelo universo da internet. No Brasil e no exterior, a situação é a mesma: os governos, seguindo os passos dos grupos competidores, praticam a mesma política suja da desinformação e da disseminação de animosidades. As difamações são o principal instrumento desse jogo indecente, que macula a rede mais fantástica que surgiu na humanidade até agora: a internet.

Diversos recursos são utilizados nessa guerra de informações, sendo utilizados inclusive os chamados “bots” (com referência aos robôs), que são contas automatizadas que atuam como se fossem pessoas verdadeiras.

Não podemos esquecer que o mundo do crime também utiliza esse meio de comunicação para atingir seus objetivos, o que coloca todos os internautas em meio a um fogo cruzado sem precedentes.

Diante desse quadro insípido, a regra a seguir é muito simples: ficar constantemente com os “dois pés atrás” diante tudo que nos é apresentado.