Como identificar pessoas interesseiras?

Em nosso dia a dia estamos cercados por pessoas que podem ter o interesse em se aproveitar da gente de alguma forma. Por outro lado, nós frequentemente utilizamos conceitos e parâmetros equivocados na avaliação das pessoas. Aplicar um rótulo a alguém indevidamente pode ser algo que traga uma certa infelicidade para ambas as partes, portanto é bastante conveniente avaliarmos com cuidado essas situações.

A verdade é que todos nós somos interesseiros, basta nos atentarmos no fato de que em quase todas as nossas ações, existe algum interesse pessoal envolvido. Se alguém vai a uma festa e oferece carona para outra pessoa, é provável que possa haver um interesse deste motorista em ter a companhia desta pessoa durante a viagem, o que aparentemente, não teria nenhum problema. Digo aparentemente, pois se faz necessário avaliar cada caso de maneira isolada, uma vez que “todos somos interesseiros” e nós mesmos podemos cometer o equívoco de ir um pouco além do que deveríamos. Portanto, uma boa medida é nos atentarmos aos resultados das nossas ações, e identificar se eles são mais positivos ou negativos.

No exemplo da carona acima, pudemos perceber que a pessoa recebeu uma carona e não teve nenhum prejuízo, logo uma ação positiva, pois este motorista conseguiu satisfazer um desejo pessoal (que era o de ter companhia) sem causar nenhum dano a ninguém. A pessoa verdadeiramente interesseira é aquela que deseja algum benefício sem se importar e respeitar os desejos dos outros, visando somente obter vantagem e ganhos pessoais. São pessoas que podem ser bastante cativantes num primeiro momento, sendo muito agradáveis, e que possuem uma certa tendência a se comparar com os outros, buscando sempre se prevalecer como melhores.

Entendemos que não há nenhum problema para nós buscarmos a satisfação de nossos desejos, se estivermos sempre atentos aos resultados das nossas ações. É claro que, nunca estaremos numa condição de agradar a todos, mas com este cuidado, seremos pessoas mais sensatas, e também precavidas com aqueles que só desejam tirar algum proveito.

Texto Gabriel Berigo - Psicólogo