Enxaqueca em crianças

Às vezes é difícil saber se a criança realmente tem dor de cabeça, ou está simplesmente imitando algum parente próximo que tem dor de cabeça. Se ela deixar de fazer o que gosta por causa de dor de cabeça é hora de pensarmos que pode ser uma queixa real. A apresentação clínica de enxaqueca é um pouco diferente nas crianças e apresenta-se, geralmente, da seguinte forma: dor mais em peso ou pressão; localização nos dois lados da fronte; intensidade moderada (geralmente inferior à dos adultos); costuma ter duração inferior a 4 horas; os sintomas associados de náusea, vômitos e intolerância à luz, barulho e odores fortes também são comuns.

Nas crianças, a influência alimentar na enxaqueca é mais acentuada do que nos adultos e geralmente elas mesmas aprendem a evitar determinados alimentos. Isso se deve principalmente ao hábito moderno de ingerir comidas do tipo fast food, tais como sanduíches com queijo e molhos, cachorro quente, batata frita, brigadeiros e doces ricos em corantes artificiais e refrigerantes do tipo cola. Entretanto, nem sempre uma criança com enxaqueca irá apresentar crises quando ingerir certo alimento.

Crianças que apresentem uma ou no máximo duas crises de enxaqueca por semana, mas que não são prejudicadas por elas, não devem utilizar medicamentos para preveni-las. Se, no entanto, esta mesma frequência de uma ou duas vezes por semana se traduz em crises fortes, que obrigam ao uso de analgésicos muitas vezes em doses altas, e afastam a criança de suas atividades por várias horas ou mesmo durante todo o dia, deve ser feita a prevenção com o tratamento médico.