Atleta da região sonha com medalha olímpica inédita para a esgrima do Brasil

Ana Beatriz Di Rienzo Bulcão, ou simplesmente Bia Bulcão, estuda na Universidade Americana de Penn State World, buscando um diploma de bacharel em negócios. Porém, seu objetivo é ainda maior: ganhar uma medalha olímpica para o Brasil.

Bia, que é de Cotia, a esgrimista mais bem classificada do Brasil, espera se qualificar para os Jogos Olímpicos de 2020 em Tokyo. Ela competiu nas Olimpíadas do Brasil, em 2016 e ficou em 31º lugar no florente individual entre as mulheres.

Competir nas Olimpíadas ante uma multidão de brasileiro foi incrível, comentou Ana. “O grito dos fãs me deu o fogo para lutar por cada ponto”.

Em janeiro, ela se mudou de sua cidade natal, em Cotia, para Frascati, na Itália, para treinar e iniciar o processo de qualificação para as Olimpíadas por meio de competições internacionais. Ela espera representar o Brasil e a sua universidade, Penn State, na 30ª Universíade, em Napoli este ano.

Bulcão treina seis horas por dia de segunda a sábado – esgrima e exercícios de força, agilidade e flexibilidade e prevenção de lesões durante o dia, com noites reservadas para o trabalho escolar. Quando ela não tem uma competição no fim de semana, ela tenta usar esse tempo para estudar.

A atleta espera no futuro usar o seu diploma em negócios e a experiência como atleta internacional para abrir um clube ou centro no Brasil e, assim, ajudar a promover a esgrima, que muitas vezes só está disponível através de clubes privados e caros.

“Eu quero fazer esgrima acessível a todos”, disse Ana.

Como a mãe de Bulcão exigia que ela fizesse um esporte, ela começou a esgrima aos 9 anos de idade. Os treinadores recomendaram que ela tentasse praticar handebol ou corrida, mas a agenda da escola não dava espaço para essas práticas.

Quando ela se inscreveu para as aulas de esgrima relata que “não sabia exatamente o que era. Mas uma vez que eu tentei, eu adorei”

Ana Beatriz Bulcão gosta do nível de concentração exigido pela esgrima: “Não é apenas físico – é mais mental. Você tem que criar uma estratégia”, relatou.