Outros esportes contribuem para a prática do crossfit


Você já pensou qual a contribuição de outros esportes para a prática do Crossfit? Geralmente, atleta gosta mesmo é de mexer o corpo e é difícil achar quem pratique uma só modalidade.No caso do Crossfit, a atleta de alta performance Fernanda Surian lembra que o esporte é uma modalidade completa, porque é uma união de outras práticas. Mas ela tinha a curiosidade de entender o que, de outras modalidades, poderia ser usado para melhorar o desempenho dentro da prática do Crossfit. Para isso, ela entrevistou praticantes de outros esportes e até da dança e do teatro. Veja o que ela descobriu:

Rose Pardelli – NATAÇÃO

Pra Rose, as contribuições da natação são muitas: alongamento e mobilidade, sem dúvidas, já que o nadador tem que ter muita mobilidade. Outra coisa que vem muito com a natação é a transferência de quadril. Olha o que a Rose fala: “em alguns estilos, como o nado borboleta, é preciso ativar muito o quadril, e isso ajuda bastante na hora de treinar no box”. Outras contribuições muito importantes da natação, segundo ela, são a resistência cardiorrespiratória e o trabalho de equilíbrio muscular: “quando treinamos Crossfit e não estamos com a musculatura equilibrada, é muito fácil começarmos a compensar, trabalhar mais um braço ou uma perna pra completar o exercício. E a natação trabalha todos os grupos musculares, então ajuda muito nesse equilíbrio”. Fora que a natação é uma atividade incrível antiestresse e para quem está buscando emagrecimento com saúde.

Marcelle Knittel – BALLET

O Ballet também trouxe pra Marcelle a mobilidade que ajuda e muito no box: “nas aulas, sempre se exige muita flexibilidade, indo até o limite para ampliar a capacidade e por isso se ganha muito em mobilidade. Além disso, a dança traz uma disciplina e uma consciência corporal que ajudam pra vida e que são ótimas ferramentas na hora do treino”. A Marcelle lembra de um exercício das aulas de Ballet que ajudaram muito no exercício mental também: “a Diagonal é quando a gente atravessa a sala nesse sentido e, no final, tem que criar uma pose ou um exercício diferente. Isso pede muita criatividade, tanto no aspecto corporal quanto no mental, e ajuda pra vida”.

Karina Cruz – CORRIDA DE RUA

Para a Karina, a contribuição mais visível da corrida de rua pro wod é a resistência. “”meus treinos de corrida eram muito longos, ficava em média umas 2 horas correndo, então em um wod longo eu sempre penso que já fiz coisa pior, e seguro a onda de 1 hora de treino”. Outro ganho importante é de condicionamento, já que na corrida se exercita o rendimento, a resistência e o tiro, por tempo ou distância. Da mesma forma, ajuda a se conhecer e saber o quanto dar de si a cada momento do treino. Veja o que ela diz: “aprendi com a corrida a não sair estourando no início do wod pra morrer no minuto seguinte, mas ir liberando a força aos poucos pra não perder na estratégia”.

Alexandre Nascimento – FUTEBOL

O Alexandre fazia treino de goleiro e conta que ajudou muito na hora de aplicar o que aprendeu dentro do box: “treinava muito salto e muita repetição, e isso ajuda na sequência do wod, a aguentar mais tempo, ter mais resistência”. Fora que ele conta que o esporte de competição te dá essa vontade de treinar muito para expandir seus limites e não ficar só no básico ou só no esquema físico.

Dra Nathalia Duarte – VOLEIBOL

Para quem não sabe, a mobilidade necessária para se locomover na quadra em um jogo de vôleibol é enorme. Além disso, a fisioterapeuta Nathália também lista resistência, core e a necessidade de articular muito como contribuições fortes do esporte para o Crossfit. “O jogo geralmente tem 4 sets, pode ir para tie break e seguir até alguém atingir a marca necessária, então tem que ter fôlego e resistência, mesmo”, explica ela. Ah, ela também lembra da disciplina como atleta, com alimentação, sono, hierarquia, seguir metas e planilhas, características que o esporte leva pra vida!

Mari Coelho – YOGA

Quem pratica Yoga sabe o quanto de ganho mental ele dá, já que o foco é sempre mais filosófico do que simplesmente físico. A Mari cita algumas contribuições do Yoga para a prática de Crossfit: concentração, controle da respiração, maior flexibilidade e consciência corporal, só para citar alguns. Olha que bacana o que ela enfatiza: “conhecer e praticar os pilares do yoga também me fez sempre respeitar os princípios de ahimsa (não violência) comigo e com os demais e a não criar dispersões mentais que me fizessem sair dos meus objetivos pessoais e dentro do próprio crossfit (como a percepção da importância de respeitar etapas em qualquer tipo de processo, inclusive no aprendizado de algum exercício)”.

Kelly Zee – Teatro

E como nosso mental interfere mesmo na hora do treino, achei interessante colocar aqui os ganhos que se tem com a prática do teatro, por exemplo. Apesar de não ser um esporte, o teatro ajudou a Kelly Zee a ter mais presença, maior agilidade para mudar de plano (horizontal, vertical), uma melhor relação de espaço, por exemplo, bem como uma flexibilidade mental, já que se aprende muito a improvisar.