Horário de verão começa oficialmente neste domingo


O horário de verão começa dia 4 de novembro. Brasileiros moradores de 11 unidades da federação (leia abaixo) devem adiantar os relógios em uma hora da madrugada de sábado (3) para domingo (4).

Este ano é o primeiro em que o horário especial começa no primeiro domingo de novembro. Nos anos anteriores, a mudança ocorria sempre no terceiro domingo de outubro. Entretanto, um decreto publicado pelo governo Michel Temer em dezembro do ano passado mudou a data de início. Um dos objetivos era atender pedido do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para evitar que coincidisse com o dia da eleição e, assim, que o eleitor se confundisse sobre o horário da votação.

As operadoras de telefonia não se prepararam para essa mudança a tempo. Por isso, na madrugada do dia 21 de outubro, os relógios de vários dispositivos foram adiantados em uma hora. O erro causou transtorno a milhões de brasileiros no fim de semana passado.

O fim do horário de verão está mantido para o terceiro domingo ano seguinte; no caso de 2019, no dia 17 de fevereiro.

Horário de verão em 10 estados e no DF

Além do Distrito Federal, o horário de verão entra em vigor em 10 estados: Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Estados do Norte e Nordeste não são incluídos porque há “poucos impactos elétricos e energéticos”, uma vez a luminosidade dessas regiões é semelhante em todas as estações do ano. No Sul, Sudeste e Centro-Oeste, os dias são mais longos no verão.

Com o horário de verão, o Ministério de Minas e Energia espera uma redução no consumo de energia elétrica entre 18h e 21h. Nos últimos anos, entretanto, essa economia vem sendo cada vez menor.

Em 2013, o Brasil economizou R$ 405 milhões com o horário de verão, de acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico. Em 2016, a poupança foi só de R$ 147,5 milhões.

De acordo com especialistas, o crescimento do uso de ar-condicionado pode ter aumentado a demanda por energia elétrica — o que reduz a influência do horário de verão.