O crescimento da violência

A violência é um ato agressivo e intencional, que tem por finalidade causar danos e sofrimentos. Ela pode se manifestar de diversas maneiras, tais como em guerras, torturas, conflitos étnico-religiosos, preconceitos, assassinatos, fome, etc. Seus malefícios atingem de forma cruel a mulher, a criança, e o idoso, sendo a violência sexual uma das mais aviltantes contra a dignidade das pessoas.

A violência pode ser evitada em muitos casos, uma vez que há procedimentos que podem interagir em diversas circunstâncias nas quais ela se manifesta tais como nos casos de pobreza concentrada, na desigualdade de renda e de gênero, no uso nocivo do álcool e na ausência de relações seguras, estáveis e estimulantes entre as crianças e os pais. As estratégias que abordam as causas subjacentes da violência podem ser eficazes na prevenção desses acontecimentos, sendo necessário um trabalho sério e com o apoio de todas as instâncias da sociedade, bem como do governo.

Violência não se combate com violência, uma vez que a mesma por si só é multiplicadora de si mesma. Para fazermos frente a ela, precisamos de procedimentos específicos, os quais devem possuir elementos de todas as ciências que estão presentes nos meios que nos são comuns, tais como: político, religioso, social, e educacional, não podendo nunca estar ausente as ações do governo.

O embate que vemos ocorrer no Rio de Janeiro entre polícia e criminosos, funcionaria se fosse uma questão de choque para trazer o equilíbrio, enquanto medidas de contenção estivessem sendo postas em prática, o que não ocorre. O resultado é uma guerra constante, cuja intensidade vem aumentando progressivamente, e isso está ocorrendo em diversas regiões do país, que já conta com mais de 60.000 mortes violentas no ano. Catorze capitais tiveram seus índices de violência aumentados em proporções alarmantes, demonstrando que a situação está saindo do controle das autoridades.

A sociedade é responsável pelo surgimento das muitas mazelas que nos vem surpreendendo. A depauperação dos bons costumes provocada pela nova geração de ícones do mundo artístico, político, educacional e social, nos colocaram num “beco sem saída”, onde se proliferam todos os sentimentos mundanos negativos, que estão palatinamente corroendo o pouco que ainda nos sobra de bom. Em países como o Japão, se alguém largar uma bicicleta em algum lugar, ela vai ficar lá por tempo indeterminado, mesmo não estando travada com algum cadeado. Isso ocorre porque ninguém precisa roubar. Há trabalho para todos, e também uma educação primorosa.

É uma realidade longe da nossa, mas nos mostra o que temos que fazer para chegarmos lá.