O poder da decisão

Nas últimas semanas vimos o desenrolar de mais uma votação de contas públicas, e desta vez, a gestão em questão foi a do ex-prefeito Daniel de Oliveira, o Daniel da Padaria. Após adiamentos e debates sobre aprovar ou reprovar as contas que o Tribunal de Contas da União já havia acatado, 10 votos na Câmara de São Roque optaram pela rejeição das contas do ex-prefeito, o que pode torna-lo inelegível por oito anos.

Observa-se neste caso, mais uma vez, a força do poder Legislativo em nossa República. No Senado, um entendimento entre o presidente da casa, Eunício da Costa (PMDB), e Carmem Lúcia, que preside o Supremo Tribunal Federal, evitou um choque de poderes que criaria uma cisma com o Judiciário por conta do senador denunciado, Aécio Neves (PSDB).

No ano passado, foram rejeitadas as contas do ex-prefeito Efaneu, que desistiu então de pleitear o cargo máximo do município pela quarta vez, e Daniel possivelmente seguirá o mesmo caminho. Vereadores cassaram recentemente o prefeito de Sorocaba, há cerca de um ano o Congresso Nacional destituiu pela segunda vez um Presidente e a população ainda não entende a força que possuem vereadores e deputados.

Em São Roque, quinze edis decidem o futuro de um prefeito. Ainda em 2014, o então prefeito Daniel escapou de um processo de impeachment por conta de um voto apenas na Câmara Municipal. O Legislativo é mais célere nesse tipo de questão do que o Judiciário e a população conta com isso.