Professores fazem manifestação contra mudanças no salário e no plano de carreira

Os professores da rede municipal de ensino de Alumínio paralisaram as atividades e se concentraram em frente à prefeitura na manhã da última quarta-feira (10), em manifestação contra mudanças no salário e no plano de carreira.

Segundo os professores, as novas mudanças, aplicadas, tiram a garantia de benefícios acumulados de acordo com a carreira dos professores. Alguns professores tiveram redução de até mil reais.

“Quando vi meu holerite fiquei assustada, pois tive um desconto de quase mil reais”, disse a professora Cláudia Rossoni.
Já a professora Soraya Trestini Marques, que da aula na Escola Doutor Roberto Nei, teve redução de aproximadamente R$ 200. “Para alguns pode ser um valor pequeno, mas é um direito nosso que foi retirado por um ato administrativo do prefeito, não houve diálogo com os professores e nem com o legislativo”, desabafou a professora.

Segundo os professores que aderiram à paralisação, “os benefícios do Plano de Carreira não são acumulativos, a cada benefício adquirido, por pós, graduação, mestrado, doutorado, são sempre calculados sobre o salário base e não um sobre o outro.

O Prefeito por ato administrativo reduziu os salários dos professores, alterando até o salário base, é ele quem afirma que é acumulativo. Ex.: Salário base R$ 1.000, para professores com a pós-graduação recebem 10%, passando a receber R$ 1.100. Quem tem mestrado, obtém aumento de 20% sobre o salário base. Seria acumulativo se os 20% fosse calculado sobre os R$ 1.100”, disseram os professores.

A cidade tem 210 professores dos ensinos infantil e fundamental e a organização acredita que 80% dos docentes da rede aderiram à paralisação.

A Prefeitura de Alumínio informou por meio de nota que nenhum benefício foi retirado dos professores e que a administração aplicou a regra Constitucional do art. 37, Inciso XIV, em que “os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores”.