“QUEM SÃO OS VERDADEIROS HERÓIS?”

Talvez você por não viver no tempo deles e mal informado até por quem também não os viu, mas ouviu a galinha cantar, mas não sabe onde está o ovo, ache que herói seja aquele bandido ladrão de terras nordestinas, estuprador de donzelas, conhecido como o rei do cangaço, um tal de Lampião, ou até carregue uma foto estampada em sua camiseta do terrorista Cheguevara, que chamado na ONU em 1974 e perguntado porque na companhia de outro ditador e terrorista Fidel Castro, fuzilava pessoas e até crianças junto com seus pais só por discordarem de seus ideais? Chê bradou bem forte em sua resposta, “Sim, fuzilamos e vamos continuar a fuzilar”.

Ou herói pra você seja Neymar por marcar gols e ganhar tanto dinheiro enquanto você passa necessidades. Ronaldo, Senna, não queremos desmerece-los pelos grandes feitos pelo país, mas aprenda o verdadeiro significado real da palavra herói, com a professora Helen de Abreu Silva Batista, que trabalhava em uma creche e que depois de um ataque monstruoso por um assassino cruel, que jogou combustível e ateou fogo na escola onde se encontravam no momento 70 crianças e 17 funcionários, perdeu a vida para salvar dezenas de inocentes e mesmo com o corpo queimado ela ia e voltava para dentro da creche em chamas, com o intuito de salvar mais vidas.

O prêmio dela não foi um gordo contrato com Barcelona, PSG ou outros, nem ganhar milhões por mês, seu prêmio foi ganhar 100% do seu corpo queimado, morrendo logo depois em um hospital com o sentimento de dever cumprido. Ao contrário de Neymar, Ronaldo, Senna, Pelé, Zico, Lampião, Cheguevara e outros, o nome dela daqui alguns dias será esquecido.

O Presidente deu um reconhecimento por serviços prestados a favor da sociedade e do país, que dentro de alguns dias vai ficar na lembrança dos brasileiros do mesmo modo que não sabem nem os significados das datas comemorativas do Brasil. Vamos hoje, enquanto lembramos honrar o nome da professora Helen, porque mesmo que ela não fizesse nada do que fez, já seria heroína só por ser professora num país de memoria curta e que que além de não valorizar escolhe seus heróis errado. Gostaria que você ao acabar de ler esta crônica, mesmo sozinho aí, aplaudisse com suas mãos aos professores deste país e principalmente a nossa heroína HELEN DE ABREU SILVA BATISTA.

Texto: Bispo Cláudio Gonçalves