Programa “Araçariguama – Eu Amo, Eu Cuido” é exemplo para ajudar o meio ambiente

 

A Prefeitura de Araçariguama tem dado continuidade a Campanha de incentivo a conscientização “Araçariguama – Eu Amo, Eu Cuido”. Diariamente, dezenas de servidores atuam na limpeza do centro da cidade e bairros para melhorar o  visual da cidade.

Fica destacada a importância da colaboração coletiva e diária da população, no sentido de evitar descarte de lixos e entulhos em locais impróprios, de manterem limpas e livres de quaisquer objetos poluidores as calçadas, quintais e terrenos de forma geral, conservando desta forma sempre higienizado, bem apresentado e em boas condições que respeitem e conservem preservado o meio-ambiente.

A limpeza dos terrenos baldios é uma prática fiscalizada periodicamente pela prefeitura e previne, além da disseminação de pragas e doenças, o início de focos de incêndio, tão comuns nessa época do ano. Nos próximos dias, esta fiscalização será intensificada em decorrência do acúmulo de lixo, mato e descaso com muros de imóveis e terrenos abandonados. Tal prática é assegurada e regulamentada pela Lei Complementar n° 148/2018, que institui o novo Código de Posturas do Município.

“Depois desta campanha, a cidade ficou mais limpa, mais bonita, isso chama a atenção de quem passa pela nossa cidade, é um exemplo que deveria ser seguido por outras cidades”, disse a Dona de casa Maria de Fátima.

“Antes era muito sujo aqui do lado de casa, tinha um terreno baldio que as pessoas usavam para jogar as coisas. Tinha vaso sanitário, sofá, geladeira, entulho, lixo doméstico, fezes de pessoas, bichos mortos, tudo era jogado aqui”, desabafou Aparecida dos Santos, moradora do bairro Ronda.

Medidas simples e práticas

Todo morador deve evitar jogar lixo em terrenos baldios. E, se for dono de algum terreno, será importante lembrar-se da responsabilidade de cuidar de seu imóvel, fazendo a roçadura e limpeza regularmente. Diariamente, dezenas de servidores atuam na limpeza para melhorar o aspecto da cidade.

Notificação e multa

O morador que efetuar o descarte irregular do lixo e entulho, em locais inadequados poderá ser multado, conforme a Lei n° 062 de 30 de dezembro de 2004, que instituiu o Código de Postura do Município.  Informações e denúncias podem ser realizadas pelo telefone (11) 4136-4900.

Descarte de lixo consciente

De acordo com estatísticas do IBGE (Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia) no Brasil são produzidos cerca de 220 mil toneladas de lixo, sendo o lixo popular (125 mil) responsável por mais da metade. Do total, apenas quatro mil toneladas são encaminhadas para as coletas seletivas. Interessante notar que cerca de cinquenta mil toneladas de resíduos ficam em céu aberto, prejudicando a saúde de indivíduos e do ambiente. Para que este cenário seja mudado é necessário que aconteçam modificações nos padrões sociais e nas formas de consumo. A reutilização se faz indispensável para que o volume do lixo de difícil decomposição seja esvaziado dos grandes lixões. Confira algumas dicas sobre para descartar o lixo corretamente.

 Minhocasa

A ideia está relacionada em jogar lixo em caixas nas quais residem minhocas, animais silenciosos que consegue deglutir todo o conteúdo. Neste tipo de compartimento podem ser colocados diversos tipos de lixos. Estão proibidos apenas: Plástico, carnes, cítricos, baterias e derivados do leite.

Lixeiras separadas

Outra dica relacionada com a coleta sustentável está na instalação de lixeiras separadas de acordo com cada tipo de lixo. Quem mora em apartamentos deve exigir com que o síndico traga este tipo de compartimento para que pelo menos o lixo esteja separado. Este fato é de suma importância para que a reciclagem dos resíduos aconteça com maior agilidade e qualidade.

No caso de não existir sistemas de coleta seletiva no seu bairro é necessário procurar as cooperativas de catadores. Interessante notar que o Grupo PÃO DE ACÚCAR implantou um projeto que traz pontos de coletas nos supermercados situados em todo o país, assim com a rede EXTRA.

Cuidados com lixo tóxico

Existem ainda os chamados lixos tóxicos, presentes principalmente nos computadores e aparelhos eletrônicos. Existem ONGs incumbidas em recolher o material para forma outros micros no intuito de fazer doações para empresas ou pessoas que estão cadastradas nos programas sociais do governo.

As lâmpadas florescentes são interessantes por proporcionarem maior economia de energia, por outro lado possuem materiais pesados para o meio ambiente. Após serem rompidas liberam alto índice de vapor de mercúrio, causando intoxicação nos pulmões. Conforme a temperatura do ambiente, o elemento pode ficar por três semanas no ar.

Neste sentido, se faz necessário armazenar as lambadas em locais que sejam secos. Coloque dentro das embalagens originais e diminua os eventuais choques que podem acontecer pelos mais diferentes motivos, fato que faz com que a toxina fique presente no ar, independente dos produtos que servem para fazer a purificação.

Ao fazer o contato com os cacos das lâmpadas quebradas, se faz necessário utilizar luvas e botas plásticas. Os ferimentos podem causar sérias inflamações. Por ano no Brasil são descartados cerca de dois quilos de mercúrio vindos deste tipo de resíduo.

As lâmpadas fluorescentes precisam ser guardadas em outro lixo sem ser o orgânico ou os de materiais recicláveis, caso dos plásticos, papéis e vidros. Atenção, caso o destino do resíduo seja o aterramento existem grandes chances de o solo ficar afetado por consequência de excesso de mercúrio, atingindo de maneira direita os mananciais.

Pilhas e baterias são outros componentes que merecem a respectiva atenção. A própria ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) considera estes resíduos como prejudiciais por conterem alto índice de cádmio, chumbo e mercúrio, que contaminam de forma considerável a água e o solo. O CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) afirma que os produtos podem ser entregues nos mesmos estabelecimentos que fazem a comercialização.

Cuidados com o óleo de cozinha

Como quase todas as pessoas do mundo sabem, água é luxo e não pode ser desperdiçada. Estimativas oficiais apontam que, caso não aconteça diminuição do desperdício ou da degradação, o consumo por cada habitante no planeta Terra deve diminuir em trinta por cento. Necessário ter em mente que longos banhos quentes são altamente prejudiciais e não correspondem como atividades relacionadas com os preceitos sustentáveis.

Porém, o cuidado com a água também está relacionado principalmente com os óleos de cozinha, que apesar das diversas propagandas relacionadas com o tema, ainda representam um grande problema que deve ser solucionado de forma simples nas casas que desejam a conquista de residência sustentável.

Um litro de óleo de cozinha pode poluir mais de mil litros das águas dos rios. Neste sentido, é sempre indicado colocar o conteúdo dentro de garrafas pet, encaminhado para organizações públicas e não governamentais que fazem o recolhimento para produzir outros tipos de produtos, como o detergente, por exemplo. Dependendo do Estado, é possível vender este óleo, caso do Rio de Janeiro e em Minas Gerais.

Especialistas indicam outro método interessante de eliminar o óleo de cozinha, que consiste em jogar uma quantidade pequena na terra do jardim para que as plantas realizem o consumo. Porém, é necessário cuidado para não exagerar e por consequência, deixar o cultivo em risco.

 Tempo de Decomposição dos Resíduos

  • Vidro: Período Indeterminado.
  • Fralda Descartável: 450 anos
  • Pneus: 600 anos
  • Plástico: 100 anos
  • Tampas de Garrafa: 150 anos
  • Copos de Plástico: 50 anos
  • Embalagens Longa Vida: 100 anos
  • Nylon: mais de 30 anos
  • Lata de Aço: 10 anos
  • Isopor: 08 anos
  • Toco de Cigarro: 20 meses
  • Chicletes: 05 anos
  • Pano: 01 ano
  • Papel: 06 meses.