Tecnologia ajuda indústrias a reduzir consumo de água

Segundo levantamento da Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura), o aumento da demanda de água na indústria deve totalizar 400% entre os anos 2000 e 2050 nos países em desenvolvimento, puxados por Brasil, Rússia, Índia, Indonésia, China e África do Sul.

Ainda segundo o estudo, o consumo de água também tem se intensificado de forma impactante na agricultura, que hoje responde por 70% da água utilizada pelo planeta.

Só nos últimos 50 anos, para dar conta do aumento na produção de alimentos causada pelo crescimento populacional, a área equipada para a irrigação mais do que dobrou, a produção pecuária mais do que triplicou, e a aquicultura no interior dos continentes aumentou em mais de 20 vezes.

O levantamento aponta que 56% de toda água doce hoje captada no planeta se torna água residual, ou seja, esgoto ou efluente industrial ou agrícola.

Os números, que constam no Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento de Recursos Hídricos, versões 2015 e 2017, evidenciam que as indústrias e produtores agrícolas precisam adotar medidas urgentes para combater o desperdício e alcançar um uso mais eficiente da água.

“Todos podem fazer a sua parte para alcançarmos a meta do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável, que visa reduzir pela metade a proporção de águas residuais não tratadas e aumentar a reutilização de água potável até 2030”, enfatiza Guy Ryder, presidente do UN Water (ONU Água, em tradução livre) e diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT). “Tudo gira em torno de gerir e reutilizar cuidadosamente a água que passa pelas nossas casas, fábricas, fazendas e cidades”.

Solução sustentável para economia de água – No Brasil, uma tecnologia já disponível para o segmento industrial – e também utilizada por fabricantes de máquinas, equipamentos e veículos pesados utilizados por setores como agricultura, mineração, transporte, construção e petróleo e gás – vem permitindo que empresas reduzam em até 50% o consumo de água em sua linha de produção.

Conhecido como UC System, da Ultra Clean Brasil, o sistema realiza a limpeza a seco e em segundos de tubulações a partir do lançamento de projéteis especiais de espuma. Estes projéteis removem e recuperam produtos acabados parados nas tubulações, eliminam contaminantes e biofilme microbiano, e garantem aos fabricantes dos mais diversos segmentos economia de tempo, de sanitizantes, de produtos químicos e, principalmente, de consumo de água.

A tecnologia já está presente em mais de 850 empresas no país, desde indústrias de processos (pertencentes aos segmentos de alimentos, bebidas, cosméticos, farmacêuticos, químicos, entre outros) a fabricantes de sistemas hidráulicos de máquinas, equipamentos e veículos pesados.

De acordo com a Ultra Clean, além da substancial queda no consumo de água, a grande maioria das empresas também vem registrando redução de consumo de energia com a tecnologia, queda de custos com o tratamento de efluentes (já que o UC System não utiliza produtos químicos) e menor tempo de “set-up”, como é conhecido o intervalo entre o final do processamento de uma tarefa na indústria e início da tarefa seguinte.

“Nossos clientes têm se beneficiado com uma tecnologia totalmente limpa e alinhada com as metas de redução do consumo de água e aumento de produção sustentável, defendidas por diversos estudos em defesa do meio-ambiente, como os relatórios anuais da Unesco”, conclui o diretor da Ultra Clean Brasil.