Agências de segurança investigam falhas em airbags da Hyundai e Kia

A agência de segurança rodoviária americana abriu uma investigação sobre uma série de acidentes letais envolvendo carros das montadoras sul-coreanas Hyundai e Kia em que os airbags não inflaram.

O escritório de investigação de defeitos da agência (ODI) “está atualmente ciente de seis acidentes graves envolvendo modelos Hyundai e Kia, nos quais os airbags não foram ativados em colisões frontais”, afirmou em um comunicado publicado em seu site.

Quatro pessoas morreram e outras seis ficaram feridas nesses acidentes.

Uma “falha na unidade de controle de airbag (ACU) pode estar impedindo que os airbags frontais sejam ativados durante uma batida”, acrescentou.

A Hyundai emitiu um relatório sobre o problema no final de fevereiro e fez um recall de 155 mil unidades do Sonata nos EUA, mas “não identificou uma solução”.

O ODI indicou que a investigação, aberta na última sexta-feira, avaliará a extensão do recall da Hyundai, determinará se a Kia e outros fabricantes estão usando a mesma unidade de controle de airbag ou uma similar, e analisará os fatores que poderiam estar causando essas falhas.

Neste caso, os equipamentos são produzidos pela empresa ZF-TRW. Cerca de 425 mil veículos poderiam ser afetados por esta situação.

‘Airbags mortais’

A investigação não tem relação com o caso dos dispositivos feitos pela japonesa Takata, que se arrasta desde 2013, com pelo menos 22 mortes relacionadas e o maior recall da história da indústria (vejo os modelos afetados no Brasil).