Alguns horrores do comunismo

Karl Marx dizia que, as classes e raças muito fracas para enfrentarem as novas condições de vida, deveriam perecer no holocausto revolucionário. Lênin defendia a “guerra de classes”, dizendo que a harmonia definitiva só aconteceria quando se eliminassem certos grupos de pessoas.

Vladimir Bukovsky – dissidente soviético – explica que quando os comunistas chegavam ao poder, em qualquer lugar do mundo, tinham como primeiro objetivo, destruir cerca de 10% da população. Isso era feito para matar os inimigos, e para reestruturar o tecido social.

Eliminavam expoentes importantes dentro das diversas profissões, para que não servissem de exemplos, a fim de criarem uma nova sociedade. Executavam milhares de pessoas sob os mais variados pretextos, para que a população ficasse apavorada, e que cada pessoa ficasse com medo de ser a próxima. Vejam e tremam – dizia Lênin, que ordenou diversos massacres.

Stalin provocou o Holodomor – matar de fome – na Ucrânia, nos anos 1932 e 1933, em decorrência do programa de reorganização da agricultura nos estados soviéticos, causando a morte de aproximadamente 12 milhões de pessoas. O regime impôs cotas para os agricultores, que foram destituídos de suas terras, e confiscou todos os alimentos da população.

Um sobrevivente conta que, os soldados traziam tonéis para levar tudo que servisse de alimento para o povo. Todos os bens comestíveis foram saqueados. O território da Ucrânia foi isolado para evitar que as pessoas fossem para outras regiões procurar alimentos, e era proibido plantar sob pena de fuzilamento. Sem ter o que comer, as mortes aconteciam constantemente, o que fazia com que os colhedores de cadáveres fossem de casa em casa para retirar os mortos. Muitos ainda não tinham morrido, mas eram levados assim mesmo, pois não valia à pena voltar para buscá-los. Eram enterrados ainda vivos. Maria Zaguts, uma sobrevivente, conta o horror que viveu ao ver que nas valas onde eram despejados os corpos, o chão se mexia.

Os ucranianos foram assassinados, e o mundo assistiu a tudo sem fazer nada. Dez anos depois, os Nazistas exterminariam milhões de judeus, nas formas mais cruéis possíveis. A União Soviética foi a primeira sociedade comunista na terra, e que pregava a vinda do “novo homem” – objetivo máximo do Marxismo -, que também foi almejado por Hitler, seu admirador, que era socialista, e criador do Partido Nacional-socialista dos trabalhadores.

Voltando para nossa época, vemos o mundo sendo vítima de um vírus sintético, o qual é usado para matar pessoas, e dominar pelo medo e desinformação, o resto da população. Vemos governos impedirem que o povo receba medicamentos preventivos que o proteja, e doentes impedidos de receberem procedimentos que podem salvar suas vidas.

Agora, determinam o que podemos comprar, por onde e quando podemos andar, enfim, serem donos das nossas vidas. Os exemplos do passado nos mostram para onde poderemos ser conduzidos. É hora de acordarmos.