As decisões equivocadas do STF

 

O Brasil assiste atônito às “presepadas” dos ministros do Supremo Tribunal Federal. Não é de hoje que esses senhores envoltos em togas chocam a opinião pública com suas decisões. Por diversas vezes o povo ficou sem entender se, o que vale é a constituição, ou o que esses ministros decidem fazer. Os membros do STF se colocam na condição de seres iluminados e detentores da verdade, passam por cima de fatos lógicos, e mudam o entendimento das questões da forma que lhes interessa. O fato é que eles não se entendem, e fazem da vida dos brasileiros um inferno.

O que se espera de uma lei é que ela seja clara de tal forma, que seja indiscutível. No entanto, o que existe hoje, é um grande teatro montado dentro dos tribunais superiores, cujos enredos foram feitos por encomenda. Se uma lei precisa ser discutida por muitos anos, e interpretada sob diversos ângulos, cada qual com sua verdade, então ela não deve ser uma lei justa, pois sua definição pode ser adaptada de acordo com a necessidade do momento. O que presenciamos é um grande jogo de palavras no judiciário, onde a verdade pode ser conduzida para qualquer canto. Não há justiça verdadeira.

Hoje existe uma queda de braço entre os juízes e os ministros do Supremo, que não conseguem se desvencilhar das simpatias que sentem por determinadas pessoas. Vejam quantos presos já foram soltos por Gilmar Mendes, e fica aqui a pergunta: para que prender e logo depois soltar?

Por diversas vezes o Supremo Tribunal voltou atrás em suas decisões, demonstrando uma grande incapacidade em digerir certos assuntos. Analisemos o caso de Lula: violou regras, praticou a desobediência, e seu atual processo está se arrastando sem que ninguém saiba ao certo para onde irá. Nunca um condenado foi tão defendido, teve tantas concessões, e foi envolto em uma manta de proteção inquebrantável. Os ministros já admitem que ele possa ser solto, e sabemos que, se eles quiserem, poderão dar o perdão amplo e irrestrito a ele.

É incrível esse país. Terroristas chegaram à presidência, condenados escolhem o juiz que lhes dará a sentença, criminosos deportados foram anistiados e se apoderaram do poder, Lula mesmo preso e tornado inelegível poderá ser candidato às eleições, os ministros tiraram das mãos do Moro algumas provas contra Lula por entenderem que não estão vinculadas à Petrobras – como um juiz pode julgar algo com as provas incompletas?

Dependendo do que fizeram com os processos de Lula, todos os demais condenados poderão requerer revisão de suas penas. O que acontecerá?

 

Disney Medeiros Raposo