Colaboração entre espécies

Na natureza ocorrem diversas interações e colaborações entre diversas espécies. No sistema agroecológico a troca de informações, serviços auxiliam e fortalecem as interações e o manejo em geral. Ao pensar na criação de uma horta é interessante pensar nessa colaboração entre os cultivos escolhidos para se plantar.

A cebolinha e o nirá, por exemplo, apesar de serem da mesma família não devem ser plantados juntos, pois ambos são muito atacados por pulgões e se um deles for infestado, irá contaminar o outro. Plantas companheiras é um termo usado desde a antiguidade por agricultores. As plantas companheiras são aquelas que se ajudam ao serem plantadas no mesmo local, com a utilização da água, luz e nutrientes, elas se auxiliam também na melhor ocupação do solo e ainda na utilização dos metabólicos secundário. As plantas companheiras quando estão juntas, tem como resultado um crescimento mais substancial e de forma mais saudável. As interações bioquímicas são favoráveis ao crescimento de cada uma delas e nenhuma retira água ou nutrientes uma das outras.

Algumas plantas precisam crescer sozinhas em um vaso ou canteiro porque são plantas invasivas, possuindo muitas ramificações e acabam roubando nutrientes das outras plantas. Por exemplo: Coentro, hortelã e outras mentas, poejo, salsinha, entre outras.

Plantas que colaboram com o desenvolvimento de suas vizinhas:

  • Alecrim afasta moscas, por isso quando plantado junto a verduras, evita o ataque de lagartas;
  • Salsão se plantado junto com a couve espanta as pragas que atacam as folhas da couve;
  • Alface plantado com cenouras e rabanetes se tornam mais macios e se plantados junto com cebolas, evita o ataque de lesmas.
  • Tomilho afasta um tipo de verme que ataca em especial o repolho, além de espantar a mosca branca e besouros.
  • Chicória, abóbora e rabanete compartilham bem o espaço e ficam mais saborosas.
  • Repolho, brócolis e espinafre apresentam um excelente desenvolvimento quando plantadas juntas.
  • Alecrim, sálvia e tomilho, requerem o mesmo tipo de manutenção e solo, se desenvolvem bem juntos sem prejudicar um ao outro.

Portanto, uma espécie de porte alto pode ser uma ótima companheira para aquela que não pode receber sol direto, pois deixará passar somente a quantidade de luz necessária para a planta de porte menor, já outras podem ter ação repelente ou mesmo atrair insetos predadores das pragas que afetam outras plantas e, assim, ajudar a evitar ataques severos, e como não falar de vários temperos e hortaliças que por possuírem diferentes necessidades de luminosidade, água e época de plantio e estão sempre presentes nos diversos tipos de canteiros e vasos sendo os mais escolhidos para fazer parte dos cultivos em geral. Por volta de 90% das plantas têm uma relação simbiótica com fungos, que é chamada de micorriza. Com a simbiose, as plantas recebem carboidratos, fósforo e nitrogênio dos fungos, que também as ajudam a extrair água do solo. Esse processo é importante no desenvolvimento das plantas, a colaboração entre os fungos e as plantas garantem o crescimento e obtenção dos nutrientes necessários e desse modo podemos abastecer nossas mesas com produtos de qualidade e com o manejo agroecológico, com certeza mais saudáveis.

Silvia Hermida – Bióloga e Produtora Rural

Fonte: http://www.agroecologia.gov.br/sites/default/files/publicacoes/4-plantas-companheiras.pdf

Toda quinta-feira os cidadãos de São Roque têm a oportunidade de interagir e adquirir produtos produzidos localmente com manejo agroecológico na Feira Agroecológica de São Roque, que ocorre na Av. 3 de Maio, 900 das 8h até as 12h. @feiraagroecosaoroque