Confundindo a realidade

Nos acontecimentos ocorridos no domingo passado, dia 31 de maio, reportagens totalmente enganosas de algumas emissoras, foram feitas para confundir a realidade dos telespectadores. Na Av. Paulista, compareceram os grupos de direita, que apóiam o presidente Bolsonaro, e os Antifas, que agrediram pessoas que estavam portando a bandeira do Brasil, assim como todos que encontrassem pela frente. Os canais de televisão esquerdistas fizeram o que eles mais têm de experiência: deturpar os fatos. Eles chamaram os apoiadores do presidente de “antidemocráticos”, e os Antifas, que pregam o terror, o crime, a destruição e as agressões contra mulheres, crianças e idosos, de “movimento em prol da democracia”. Uma inversão de valores criminosa. Querem confundir a mente do povo deturpando os fatos para que todos percam suas referências, sendo que até mesmo o sobrevôo do helicóptero presidencial, sobre a manifestação de domingo em Brasília, foi chamado de ato antidemocrático. Essas emissoras prestam um desserviço ao Brasil, incentivando a desordem, e trabalhando em prol da perda da harmonia nacional.

Nesse domingo, um novo ciclo se iniciou, com o surgimento desse grupo criminoso de origem internacional, mantido com capital de George Soros, financiador das lutas armadas radicais pelo mundo, que veio para ficar. Sendo assim, é bom que saibamos com o que iremos lidar daqui para frente, para não sermos “engolidos” pelo inimigo.

O movimento Antifa é uma conglomeração de grupos de esquerda. Sua principal característica é a oposição ao fascismo por quaisquer meios necessários. Eles atuam com táticas de militância em protestos, e realizam manifestações contra a extrema-direita. Possuem tendência anticapitalistas,  e são predominantemente militantes de esquerda, incluindo anarquistas, socialistas, e comunistas. O seu foco declarado é lutar contra a extrema-direita. A linhagem Antifa foi traçada na Alemanha, onde surgiu o grupo Antifaschistische, formado em 1932, viabilizado pelo Partido Comunista Alemão. Hoje, nos Estados Unidos, eles se mesclam com movimentos de skinheades, neonazistas e Punks. O nome significa luta contra o Fascismo lembrando que o termo se refere a uma ideologia política ultranacionalista e autoritária, caracterizada por poder ditatorial, repressão da oposição por via da força e forte arregimentação da sociedade e da economia.

Além de termos as emissoras esquerdistas distorcendo a realidade dos fatos, nos deparamos também com a rede de fake news existente em todos os lugares. Elas estão presentes principalmente no meio político, cujos esquerdistas disparam propagandas contra o governo, e acusam o outro lado de usarem robôs para disseminar o ódio, coisa que ambos os lados estão fazendo. Nessa guerra de informações, encontramos inclusive os “lobos solitários”, que disparam notas falsas prejudicando os internautas em geral. O STF e Congresso têm interesse na censura da Internet, mas quem vai censurar os absurdos que eles cometem?  

Por Disney Medeiros Raposo

  • O conteúdo acima é uma opinião de inteira responsabilidade de seu autor, e não expressa a opinião do jornal.