Infância no interior: menino constrói mini-fazenda usando a criatividade

No baú das memórias de infância, todo mundo tem seus momentos de contato com a natureza. Em pequenas mãozinhas, a terra, as pedrinhas, os gravetos, folhas e sementes ganham um novo significado: se transformam em elementos de um fantástico mundo imaginário. No meio rural, o contato diário com a natureza é um campo fértil para deixar a criatividade brotar.

E é isso que o menino  tem a  tem a alegria de vivenciar aos 11 anos, no município catarinense de Ponte Alta, em uma história mostrada pela Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri)

Emanuel  tem 11 anos e mora no interior de Ponte Alta, na região serrana catarinense. Usando terra, areia, gravetos, barbante e muita imaginação, ele criou uma mini-fazenda nos fundos de casa. Lá tem lavoura, cercado para os animais, açude, árvores e até barracão para guardar o caminhão e o trator.

“Tinha um monte de terra ali, aí eu fui brincando, aplainando, arrumando, e daqui a pouco saiu a fazenda. Eu incentivo todas as crianças a deixar o celular de lado e brincar na terra”, conta o garoto.

Emanuel também é apaixonado por caminhões e gosta de customizar seus brinquedos. E quando pensa no futuro, já planeja juntar as coisas de que mais gosta: “Tenho a intenção de ter uma fazenda e ser caminhoneiro”, revela o dono da mini-fazenda.

O capricho do pequeno fazendeiro e a riqueza dos detalhes chamaram a atenção da extensionista rural Adelina Berns, da Epagri, durante uma visita técnica à família. “Na era tecnológica em que vivemos, está cada vez mais raro presenciar crianças criando, inventando e brincando com coisas simples”, conta. “É lindo ver a dedicação e o carinho que ele tem ao criar e brincar. Parabéns ao Emanuel pelo trabalho, e aos pais dele, Márcia e Luciano, que o incentivam nessas brincadeiras”, diz.

A mãe de Emanuel, Márcia Aparecida do Prado de Souza, conta que a família já viveu por um tempo na cidade, mas só depois que conseguiu comprar uma pequena propriedade no meio rural é que encontrou o seu lugar.

“O Emanuel gosta de morar aqui porque aqui tem liberdade para andar de bicicleta, brincar lá fora com os animais e com a terra, na fazenda dele”, conta. “A gente fica bem feliz quando vê que, na idade dele, ele ainda está brincando assim, em contato com a natureza. Estamos felizes em criar nossos filhos no interior, que é mais saudável para as crianças”.

A família, que vive em uma propriedade com área bem reduzida, está sendo atendida pela Epagri por meio do Programa Fomento Produtivo, do governo federal. Eles serão beneficiados com R$ 2,4 mil para construir uma estufa de cultivo de hortaliças. “Nosso trabalho é no encaminhamento dessa proposta para o governo federal e também auxiliando na execução do projeto, com a orientação técnica”, conta a extensionista Adelina.

Hoje, a renda da família vem da prestação de serviços no meio rural. A produção de alimentos na propriedade é apenas para consumo próprio. Mas com a estufa, além de melhorar a alimentação da família, haverá a possibilidade de venda do excedente para ampliar a renda.

“Eles são muito organizados e caprichosos. Isso reflete no filho deles, no capricho com as coisas, a criatividade e o empenho na criação da fazendinha”, diz Adelina. Se depender da força de vontade da família, o projeto da estufa será um sucesso.

Capital paulista realiza 11ª Virada Sustentável

Do Canal Rural