Moradora de Mairinque oferece oficinas de costura comunitária

A moradora de Mairinque e microempreendedora, Priscila Moreno Santiago, de 37 anos, realiza na cidade oficinas gratuitas de costura a todas as pessoas que desejam participar, sem restrição de idade. O local para as capacitações, intitulado de “Ponto de Economia Solidária”, conta com o apoio de mais de 50 inscritas e uma frequência de quase 30% nas aulas desenvolvidas três vezes por semana.

No curso, a costureira aborda todas as fases que envolvem a criação de estojos, nécessaires, porta-ferramentas, sacolas, ecobags, bolsas e mochilas, desde a apresentação do universo da costura, como nomenclaturas, materiais, ferramentas e instrumentos, até o domínio das máquinas caseiras e industriais. Além disso, as participantes também aprendem como usar as ferramentas de corte com segurança e a importância dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

Segundo Priscila, a primeira lição dada é a costura de oito gráficos no papel, com o objetivo de melhorar a coordenação motora e desenvolver agilidade na hora de costurar curvas e retas, em seguida, sabendo cortar e administrar a máquina, dão início a fase de desenvolvimento de peças. São 10 peças, nas quais cada aluno faz duas amostras, sendo uma para ele e uma para vender e, posteriormente, gerar recursos para comprar materiais para as próximas turmas.

De acordo com a profissional, não tem idade para participar, pois a ideia é de que seja um espaço inclusivo, multietário e intergeracional. “Estou buscando adequar nosso espaço para que até mães com bebês possam participar. Atualmente, como estamos em período de férias escolares, temos crianças de seis a doze anos que acompanham as mães nas atividades. Temos também adolescentes e senhoras aposentadas no corpo discente”.

No Ponto de Economia Solidária de Mairinque, o foco atual é a costura de bolsas e acessórios, mas a idealizadora pretende ampliar a grade de cursos para todas as artes manuais, têxteis ou não. Inclusive, está procurando pessoas que possam ensinar outras habilidades. “Por enquanto ainda não temos recursos para contratação, mas se alguém quiser doar uma horinha da sua semana para ensinar alguma coisa, é só mandar um ‘zap’”, comenta.

Para participar das oficinas, basta mandar o nome, RG e endereço para o número (11)9-42882660. O Ponto está localizado à Rua João Bueno, nº 71, Vila Barreto, Mairinque.

História

Nascida em Mairinque, Priscila foi para São Paulo em 2002 e passou seus últimos 18 anos morando lá. No ano passado, 2019, decidiu voltar para a cidade natal convicta de que iria organizar oficinas de costura gratuitas aos moradores e desenvolver uma fábrica da Alforjaria (acessórios para ciclistas).

Em 2010, Priscila, que amava andar de bicicleta pelas ruas de São Paulo, montou uma confecção de acessórios para essa modalidade.

“Temos alforjes em todas as capitais brasileiras e também na Dinamarca, Paris, Itália e Suíça. Meu plano é formar e capacitar a mão de obra de Mairinque para começar a exportar de verdade até 2022. Como eu vendo pela internet, posso montar a fábrica em qualquer lugar. Escolhi aqui, pois é a cidade onde nasci”, ressalta Priscila.

A profissional ainda comenta que sempre teve a necessidade pessoal de fazer um trabalho voluntário. Então, em 2017, começou a dar aulas de costura para os frequentadores do Centro

de Atenção Psicossocial (CAPS) no Ponto de Economia Solidária do Butantã, onde, segundo ela, amigavelmente “roubou” a ideia e o nome.

“A ideia é emponderar as pessoas e ensinar uma habilidade para que elas possam desenvolver um ofício. Mairinque é uma cidade muito carente, e eu acredito que o cooperativismo é uma ferramenta importantíssima para a transformação social”, comenta a costureira.

“E venham conhecer o projeto. Economia Solidária é a economia que privilegia as relações humanas, em vez do lucro pelo lucro. Mairinque – e o mundo – precisa disso. Mais olho no olho, mais apertos de mão, mais abraços – e menos olho por olho, dente por dente”, finaliza.