Clássicos times paulistas se posicionam contra o racismo, após onda de protestos

Após os protestos contra o racismo e pela valorização da vida dos negros nos Estados Unidos e no Brasil durante o fim de semana, os clubes brasileiros se manifestaram pelas redes sociais apoiando a causa.

Depois da morte de George Floyd, os Estados Unidos estão vivendo uma onda de protestos contra a violência policial praticada com os negros.

No Brasil, o fim de semana foi marcado por manifestações pela morte do jovem João Pedro, assassinado em maio, e o movimento antifascista, que marchava pela democracia e contra o racismo.

“No país que viveu séculos de escravidão, importam por serem as que menos sonham e mais morrem. Importam por Ágatha, João Pedro e cada nome que virou estatística”, escreveu o Internacional.

“O racismo mata e destrói famílias no Brasil e no mundo. Não se cale. Nós nos importamos com essas vidas. Por isso somos Corinthians”, afirmou o alvinegro.

“Essa é a nossa história. Somos os #TimeDeBrancoeDePreto!”, afirmou o Santos.

“Não basta não ser racista. #VidasNegrasImportam”, escreveu o São Paulo.

“Já tivemos que mudar de nome para continuarmos existindo. Somos contra o racismo e qualquer prática preconceituosa que atente contra o direito à vida e à liberdade. Nascemos das diferenças e elas nos fazem mais fortes”, escreveu o Palmeiras.

Homenagens pelo Brasil

Perfis oficiais de times de futebol do Brasil usaram as redes sociais para apoiar a luta contra o racismo. Nesta segunda-feira (1º), eles lançaram uma corrente relembrando jogadores negros que fizeram história vestindo a camisa de cada um dos clubes. O Vasco, por exemplo, citou Barbosa, Odvan e Jorginho Carvoeiro.

As campanhas anti-racismo estão ganhando cada vez mais voz após a morte de George Floyd em Minneapolis. A revolta pela atuação no caso tirou os americanos do isolamento social juntou multidões em 15 estados e mais de 140 cidades e tem movimentado as redes sociais.