Governo britânico autoriza volta da Premier League

O Campeonato Inglês recebeu autorização do governo britânico para voltar em junho. No entanto, terá que cumprir uma série de exigências além das adequações esperadas para o combate ao contágio ao novo coronavírus. Entre as condições impostas pelas autoridades, estão maior investimento nas divisões inferiores, no futebol de base e mais transmissões gratuitas, para que o futebol tenha maior alcance na população.

As exigências foram passadas à Premier League em reunião na noite da última quinta-feira entre autoridades da liga e o Secretário de Cultura do governo britânico, Oliver Dowden. A liga agora corre para se adequar e lançar o “Projeto Recomeço”, discutido em inúmeras reuniões com os clubes nos últimos dias.

“O governo está abrindo as portas para o futebol competitivo retornar com segurança em junho. Isso precisa incluir amplo acesso aos torcedores à cobertura ao vivo e garantir que os ganhos provenientes da retomada do esporte apoiem a família do futebol em geral”, declarou Olivier Dowden à imprensa, logo após a reunião.

O governo quer que a Premier League divida lucros da volta do futebol e de possíveis futuros acordos com os clubes da EFL, que organiza as três divisões inferiores. O valor da contribuição giraria em torno de 200 milhões de libras (R$ 1,4 bilhão, na cotação atual).

O maior impasse no momento é a questão esportiva. Os seis clubes que ocupam as últimas divisões têm se mostrado contrários a um possível rebaixamento, caso o campeonato seja finalizado precocemente. Em reunião na última quarta com representantes dos técnicos e jogadores, não houve consenso, e José Mourinho, treinador do Tottenham, se irritou.

É esperado que a decisão definitiva saia até o início da próxima semana, e que os clubes possam retomar suas atividades com treinos individuais. No entanto, há poucas esperanças que o campeonato possa recomeçar até o dia 12 de junho, data planejada desde o início.