Sem dinheiro para ir à peneira, atacante ganha R$ 10 do patrão, passa no teste e vira revelação

Uma matéria realizada pelo Globo Esporte mostrou o sonho de um jovem que nunca desistiu de realizá-lo. O choro de Lucas durante a coletiva depois da classificação do River-PI às semifinais do Campeonato Piauiense sub-19 comoveu a todos. Aos 19 anos, o garoto dedicou o gol à mãe, dona Maria Rejane, e não conteve as lágrimas ao falar da situação difícil em casa: o pai está desempregado e a mãe faz bicos como diarista para sustentar a casa, na periferia de Teresina. O GE foi atrás da história do atacante.

Lucas está há quase um ano nas categorias de base do River-PI. A chegada ao Poleiro contou com a ajuda do antigo patrão de Lucas, que trabalhava em uma farmácia. O garoto não tinha dinheiro para fazer a inscrição na peneira do clube, então o seu chefe deu R$ 10 para Lucas ir ao Centro de Treinamento do Galo. Aí a história do moleque que jogava bola no quintal de casa mudou.

“Trabalhava em uma farmácia, aí o dono disse que se eu tivesse um sonho, tinha que ir atrás dele. Então, ele me arrumou R$ 10 para fazer a inscrição na peneira. Agradeço muito a ele. Estou correndo atrás do meu sonho desde os seis anos, sei que um dia Deus vai me honrar. Agradeço ao River-PI, um grande clube, que me deu essa oportunidade, e a comissão técnica que me apostou no meu futebol”, contou Lucas, que também já trabalhou em uma oficina de moto.

Lucas mora no extremo da zona leste de Teresina, no bairro Pedra Mole. O CT do River-PI fica na outra ponta da cidade. Para chegar até lá, Lucas tinha que sair com mais de três horas de antecedência e pegava três ônibus. Ao ver a história de superação do atacante, o clube o alojou em um apartamento próximo do CT, e Lucas vê a família aos fins de semana.

Por Globo Esporte