Tóquio-2020 já fala em retornar com os eventos-teste

Os efeitos positivos do Torneio Internacional de ginástica artística realizado no último domingo (8) continuam repercutindo em Tóquio. O sucesso do primeiro evento internacional da cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2020 depois de meses, pode trazer de volta os eventos-teste que foram adiados pela pandemia do coronavírus.

Os eventos-teste são fundamentais no cronograma da organização de qualquer Olimpíada. Servem para avaliar a funcionalidade das arenas onde as disputas acontecerão e também aprimorar o trabalho de todas as pessoas que irão trabalhar na competição naquele local.

Aliás, o último evento-teste de Tóquio-2020, já quando a pandemia se alastrava pelo mundo, aconteceu em março, com a realização de uma demonstração de escalda esportiva, no Aomi Urban Sport Park, com a participação apenas de atletas japoneses. Pouco tempo depois, a Olimpíada seria adiada para 2021 por causa da crise mundial do coronavírus.

O Torneio Internacional “Amizade e Solidariedade”, que reuniu ginastas de quatro países e foi cercado de rigorosos protocolos de saúdes para evitar a Covid-19, foi também uma prévia para a retomada destes eventos-teste. Contou inclusive com a presença limitada de público, cerca de duas mil pessoas. Embora não vá receber as competições olímpicas de ginástica em 2021, o Estádio Nacional Yoyogi será palco das disputas do handebol.

Em uma coletiva realizada nesta terça (10) em Tóquio, Hidemasa Nakamura, responsável pela entrega das arenas olímpicas, disse que os organizadores se animaram com os resultados do evento de domingo. Com isso, já trabalham com a possibilidade da retomada dos testes nas arenas olímpicas para março do ano que vem.

“Estamos discutindo como lidar com a Covid-19 com o governo japonês e o governo metropolitano de Tóquio. A partir do começo do ano que vem, iniciaremos as operações para retomar os eventos-teste em março”, afirmou.

Entre os eventos que foram adiados, estão os de atletismo, esportes aquáticos, basquete, ciclismo, ginástica, rúgbi, tiro, esportivo, skate e vôlei. Além disso, também foram afetadas competições paralímpicas de atletismo, natação e rúgbi em cadeira de rodas.

Lições aprendidas

Os organizadores não confirmam, mas possivelmente já estudam adotar na operação Tóquio-2020 alguns dos procedimentos usados na competição de ginástica artística do último domingo.