Comércio abrirá 33 mil vagas para funcionários temporários

Para atender a alta no movimento, trazida primeiro pelas promoções da Black Friday, em novembro, e depois pelas compras de Natal, o comércio varejista do Estado de São Paulo vai abrir 33 mil vagas para funcionários temporários. Quem estiver atrás de uma chance, já pode ir entregando os currículos nas lojas, já que as contratações começam ainda este mês. Os dados são da Fecomercio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado) e apontam ainda uma alta de 7,86% em relação ao ano passado, quando abertas 30,6 mil oportunidades.

Metade das vagas deve ser aberta pelo varejo de vestuário, tecidos e calçados. Os supermercados concentrarão cerca de 25% das vagas e o restante será dividido, principalmente, entre os segmentos de eletrodomésticos; eletrônicos e lojas de departamentos; móveis e decoração; farmácias e perfumarias. A federação estima ainda que em torno de 15% dos funcionários contratados como temporários têm boa possibilidade de serem efetivados.

Também de acordo com a entidade, o aumento no número de vagas, em relação ao final do ano passado, está ligado à expectativa de alta nas vendas e também às novas regras para esse tipo de contratação, previstas na lei n.º 13.429/2017 (trabalho temporário) e na Reforma Trabalhista (Lei n.º 13.467/2017). Elas determinam, dentre outros pontos, a possibilidade do chamado “trabalho intermitente”, com contrato firmado por escrito e registrado na carteira de trabalho, com detalhes sobre o local, a forma de convocação e o prazo para pagamento da remuneração.

O trabalhador deve ser convocado com três dias corridos de antecedência e tem 24 horas para responder o chamado. A regra para o trabalho temporário estabelece que o período de contrato, que é de até 180 dias, possa ser estendido por mais 90 dias. Além disso, seus direitos são equivalentes aos de um funcionário que atua no regime da CLT, incluindo férias e 13º  proporcionais ao período trabalhado.