Jean Paul Prates deixa presidência da Petrobras | Geral

Os ADRs (American Depositary Receipts, ou recibos de ações negociados na Bolsa de Nova York) da Petrobras (PETR3; PETR4) deram o tom de uma quarta-feira turbulenta para as ações da empresa estatal, com a notícia da mudança na presidência da gigante do petróleo.

O sinal de alerta soou por volta das 20h40 (horário de Brasília, 19h40 de NY) de terça-feira, quando rumores sobre a demissão do presidente da estatal, Jean Paul Prates, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, começaram a circular. O jornal O Globo foi o primeiro a divulgar a notícia, posteriormente confirmada por outros veículos de imprensa. Os papéis PBR, representando as ações ordinárias, com maior liquidez em Nova York, mergulharam 8% no after market. A queda persistiu, sendo mais pronunciada no pré-market desta quarta-feira e um pouco mais moderada durante o pregão regular.

A reação do mercado foi imediata e negativa. Por volta das 15h (horário de Brasília) desta quarta-feira (15), as ações ordinárias da Petrobras registravam uma queda de 7,02%, cotadas a R$ 39,92, enquanto as preferenciais apresentavam um recuo ligeiramente menor, de 5,97%, sendo negociadas a R$ 38,43.

Gestoras entrevistadas pelo InfoMoney reconhecem que a mudança na presidência causa agitação, mas acreditam que esse impacto será gradualmente dissipado com o tempo. Por enquanto, elas mantêm suas posições nos papéis da Petrobras.

De acordo com análises das casas consultadas, a petroleira continua a oferecer um bom retorno em termos de dividendos, e ainda é incerto se a troca na presidência terá consequências negativas para a gestão.

A Agência Brasil divulgou a saída de Jean Paul Prates assim:

O Ministério de Minas e Energia (MME) indicou a engenheira Magda Chambriard para exercer o cargo de presidente da Petrobras, em substituição a Jean Paul Prates. Segundo nota divulgada pela empresa, Prates solicitou encerramento antecipado de seu mandato à frente da petrolífera.

Prates, que assumiu a presidência da estatal em janeiro de 2023, pediu que o Conselho de Administração da empresa se reúna para apreciar sua saída do cargo, de forma negociada. Confirmada a saída da presidência, ele renunciará também ao cargo de membro do conselho.

Magda é engenheira química e civil e iniciou sua carreira na Petrobras em 1980. Foi cedida à Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) em 2002. Tornou-se diretora da ANP em 2008. Em 2012, chegou à diretoria-geral da agência no governo Dilma Roussef.

De acordo com ofício enviado à Petrobras pelo Ministério das Minas e Energia, a indicação será submetida aos procedimentos internos de governança corporativa, incluindo análises de conformidade e integridade necessárias ao processo sucessório da companhia, com apreciação pelo Comitê de Pessoas e pelo Conselho de Administração.

Magda Chambriard é mestre em engenharia química pela COPPE/UFRJ (1989) e engenheira civil pela UFRJ (1979), e se especializou em engenharia de reservatórios e avaliação de formações e posteriormente em produção de petróleo e gás, na hoje denominada Universidade Petrobras.

O comunicado da empresa diz ainda que Magda fez diversos cursos, além dos relativos à produção de óleo e gás, eles desenvolvimento de gestão em engenharia de produção, negociação de contratos de exploração e produção, qualificação em negociação na indústria do petróleo, gerenciamento de riscos, contabilidade, gestão, liderança, desenvolvimento para conselho de administração.

*Colaborou Douglas Correa

Fonte

Jornal O Democrata São Roque

Fundado em 1º de Maio de 1917

odemocrata@odemocrata.com.br
11 4712-2034
Rua Marechal Deodoro da Fonseca, 04
Centro - São Roque - SP
CEP 18130-070
Copyright 2021 - O Democrata - Todos os direitos reservados
Os textos são produzidos com modelo de linguagem treinado por OpenAI e edição de Rodrigo Boccato.