“IDOSOS: TRISTEZA NÃO TEM FIM”

Não sei se foi reflexão pela idade avançada ou outro motivo que levou o compositor brasileiro a intitular uma de suas melhores canções com o título acima. Mas sem dúvidas, foi o que me inspirou a rotular esta matéria.

Certo médico contou que um dia um homem entrou em seu consultório e disse:

– Doutor, eu estou “deprimido”; Queixou-se do seu sofrimento intermitente, disse que a vida lhe parecia dura e cruel, que se sentia completamente só num mundo ameaçador e que não tinha nenhuma esperança mais, pois tudo lhe era vago e incerto.

– Minha tristeza parece que não tem mais fim; e o médico prontamente lhe prescreveu a solução.

– Meu amigo, o tratamento para sua depressão é simples! Muito simples! Você só precisa se alegrar. Proporcionar a si mesmo momentos simples de felicidade. Passear, sair com os amigos, ler um bom livro, assistir uma peça teatral! Uma comédia de preferência! Coisas engraçadas. Está me compreendendo? Preste atenção, eu vou te dar uma boa sugestão. Hoje pela manhã, quando vinha para o consultório, vi um cartaz que anunciava a presença de um famoso palhaço na cidade. O palhaço Pagliacci. Vá assistir ao espetáculo dele, Pagliacci tem fama de nunca ficar triste. Com certeza você irá rir muito e isso deverá animá-lo. Será o primeiro passo para sair dessa tristeza.

Nisso o homem se desfaz em lágrimas e diz:

– Mas, doutor… eu sou o Pagliacci!

Quantos agora estão tristes como o nosso palhaço da crônica. As notícias que temos ouvido é de que os brasileiros mesmo sendo vítimas dos mensalões, dos petrolões, dos superfaturamentos com dinheiro público, ainda terão que pagar a conta. A partir do ano de 2022, os trabalhadores quando estiverem idosos, terão que se aposentar com mais de 65 anos de idade, porque o fator da previdência será de 100. Serão os 35 anos de contribuição mais 65 de idade que somados darão o fator: 100. Isso sem falar que não terão como base na correção das aposentadorias os índices da inflação. Para o idoso de hoje já está difícil. Com exceção de alguns comerciantes e bancos, a maioria não tá nem aí com os velhinhos.

Se o idoso vai a uma casa lotérica, a maioria delas só respeita a lei se o idoso insistir. Senão chama o primeiro da fila. No centro da cidade de São Roque foram retiradas várias vagas de estacionamento exclusivo para os que já fizeram tanto para a nossa cidade. As vagas que existem ficam longe dos estabelecimentos onde o idoso precisa ir. Com tudo isso acontecendo com aqueles que já deram sua contribuição ao país, eu pergunto: “Será que os governantes não estão nos transformando em novos Pagliaccis?

Abraços do Bispo Cláudio.