Munícipes denunciam falta de soro na emergência e aparelho de audiometria quebrado há meses

Nesta semana uma moradora de Alumínio denunciou nas redes sociais a falta de soro no Pronto Atendimento da cidade. Segundo ela, ao chegar na emergência com náuseas e tontura passou por consulta médica e descobriu que a medicação intravenosa não seria possível. “Ela (a médica) falou: vai tomar uma injeção de Dramin, pois estamos sem ‘sorinho’ para aplicar com medicamento intravenoso. E se fosse para uma criança ou pessoa em estado mais grave? Onde vamos parar?”, desabafou a munícipe.

Na tarde do dia 25 outra denúncia foi feita por mais um morador de Alumínio por meio das redes sociais. “Só no PA de Alumínio mesmo para não ter nem soro. Levei meu filho para ser atendido e tive essa informação. Uma enfermeira me mandou reclamar com o diretor do local, mas os próprios funcionários disseram que ele só vai lá de passagem. Muito revoltante”.

Em conversa com o vereador Alexandre Amaral, ele contou que esta é apenas uma das muitas situações que revelam a precariedade da saúde no município. “Em novembro passado recebi denúncias sobre a falta de antibióticos para fornecer à população. Essa situação da falta de soro se repete e já soubemos também sobre o desperdício do mesmo. Em outras vezes pegamos emprestado com cidades vizinhas”, relatou.

Por meio do Requerimento nº 407/2019, protocolado na Câmara nesta semana, o edil cobra da Administração Municipal respostas sobre tal denúncia, que considera grave. “Quais os motivos para essa falta de soro no Pronto Socorro Municipal?”, indaga.

Aparelho de Audiometria quebrado

Amaral também foi procurado por um munícipe, que agendou um exame de audiometria no dia 7 de novembro de 2018 e até o momento não pode realiza-lo. Por meio de informações de uma funcionária do Departamento de Saúde do município, confirmou que o aparelho de audiometria continua descalibrado e que por este motivo os exames não estão sendo realizados há vários meses. Por meio de requerimento protocolado nesta semana, questiona a Prefeitura tem ciência deste fato e quando o caso será solucionado.

O Jornal O Democrata procurou a Prefeitura de Alumínio em busca de esclarecimentos, mas até o fechamento desta edição não obteve resposta.