O jogo da desinformação


A desinformação é um mecanismo usado em todas as partes do mundo, e em todas as eras. Ela está presente nos consulados, nos governos, nas Forças Armadas das maiores nações, na espionagem policial, na economia, na espionagem industrial, bem como em tudo aquilo que possa gerar interesse em uma disputa.

As notícias falsas, agora chamadas por fake news, sempre existiram, estando longe de ser um fenômeno da atualidade. Elas ganharam notoriedade devido ao ambiente onde são mais propícias de existirem – a internet – que é seu maior meio de propagação, dado seu grande poder de disseminação em curto prazo, e comum a todos os níveis de pessoas.

Na Grécia antiga, já existia histórias de guerra, em que uma notícia de invasão em determinado lugar era anunciada, fazendo com que as tropas para lá se locomovessem, sendo que o ponto de entrada foi justamente no lugar em que a armada se encontrava, e que deixou o caminho livre para o inimigo.

Nos filmes do 007, que marcaram época, haviam diversas histórias em que o agente se envolvia em relatos que o levavam a resultados frustrantes. Alguns sindicalistas em diversas épocas e de diversos países moveram multidões de trabalhadores usando pretextos enganosos sobre futuras ações dos seus empregadores. Notícias irreais sobre surtos já esvaziaram regiões em diversos cantos do mundo e em todos os tempos. Nos desbravamentos marítimos, relatos sobre ataques de monstros marinhos fizeram com que navios evitassem determinadas rotas, nas primeira e segunda guerra, falsas notícias sobre a superioridade de determinado exército abalava a confiança dos que precisariam se confrontar com ele etc.

Como vemos, as notícias falsas em seus diversos formatos, sempre estiveram presentes na vida dos homens, trazendo-lhes desconfortos e levando-os a decisões erradas. O que vemos hoje, nada mais é que a perpetuação de um procedimento usado na humanidade por muito tempo, sempre com a intenção de levar alguém a resultados deprimentes. Para divagarmos mais sobre o assunto, podemos nos embrenhar nas histórias da Roma antiga, da Revolução Francesa, da Revolução Americana, ou mesmo na história do Brasil.

Na segunda-feira do dia 30 de julho de 2018, um serviço de checagem de notícias, denominado Fato ou Fake, foi criado no Brasil pela cooperação das entidades Rede Globo, Globo News, G1, O Globo, Extra, Época, Valor e CBN, com a intenção de combater a propagação de notícias falsas. No entanto, o serviço nesse momento não é mais confiável, uma vez que ele se tornou em instrumento de manipulação da opinião pública, rotulando como fake coisas que são verdadeiras mas que os poderosos querem que sejam desacreditadas. É o Fake News agindo contra si mesmo.