Os ventos começam a mudar

Mesmo em meio a tantas notícias “ruins” recentemente, parece que entramos agora em uma nova fase desde o início da pandemia do coronavírus. O morador de São Roque que compartilhou a experiência vivida por dias dentro de um hospital, enfrentando todos os terríveis sintomas provocados pela doença, já está se recuperando em casa ao lado da família.

Apesar de confirmar o primeiro óbito, São Roque tem recebido diversos resultados negativos para as suspeitas notificadas. A saúde está se estruturando cada vez mais e a população cada vez mais se une em solidariedade para ajuda quem mais está precisando.

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, divulgou esta semana algumas estatísticas oficiais sobre o coronavírus. Dos 25.262 casos positivos, 14.026 são considerados recuperados da doença, o que representa 55% dos casos oficiais. Outro dado informado é que os pacientes que permanecem internados ou ainda não tiveram o resultado do exame com a confirmação do diagnóstico, representam 38% do total de casos confirmados, ou seja 9.704 pacientes.

A curva, aos olhos de alguns especialistas, está se estabilizando. Dados divulgados recentemente pelo Ministério da Saúde demonstram que as notificações de óbitos em razão da Síndrome Respiratória Aguda Grave por COVID-19 se diferem do número de mortes diárias de doença. A principal causa é a notificação tardia dos casos e da divulgação dos resultados dos testes. O infectologista Munir Ayub, da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), alerta para a possibilidade de haver um “falso” pico de óbitos pela doença nos próximos dias, resultado da resolução dos milhares de exames parados na fila do Adolfo Lutz. Segundo ele, talvez possamos ver agora um aumento rápido de pessoas que morreram e que ainda não foram diagnosticadas. Os óbitos por coronavírus já podem indicar o fim do crescimento da curva.

No comércio, as mudanças também começaram a acontecer o prefeito estuda flexibilizar o funcionamento de algumas atividades seguindo as orientações do Estado. Mesmo com tais informações é importante reforçar que ainda é momento de cautela total, por isso, permaneça em casa.