Projeto de escoteiros reúne mais de 100 crianças em Alumínio

Nesta semana, em parceria com nossos colaboradores do Jornal Alumíinio Regional, conversamos e reproduzimos para nossos leitores o perfil de um jovem muito atuante na nossa comunidade – o Bruno do Condoville, dos escoteiros e bandeirantes, da Coca Filosófica e outros projetos sociais e culturais.
“Brasileiro, graduando em história, bandeirante, liberal e bardo nas horas vagas. Minha trajetória começou com 15 anos quando passava tardes na biblioteca de Alumínio numa época sem internet, quando precisávamos fazer trabalhos escolares com as saudosas enciclopédias.

Consequentemente, iniciei na leitura começando com literatura estrangeira e posteriormente desbravando novos estilos, sempre tentei entender a realidade que me cerca, mas quanto mais tentava aprender a fazer uma leitura panorâmica das coisas, mais percebia o quanto a realidade é complexa e, às vezes simplória nas suas manifestações.

Dada essa vocação ingressei no estudo da História focando no estudo da história política e do pensamento religioso. Logo no início da graduação, comecei a trabalhar em projetos sociais tendo passado com o extinto projeto “Arco-íris” e atualmente no projeto “Pai” da Ong Ação Amor localizada no Condoville.

Já na vida adulta, com mais de nove anos de experiência em trabalho com crianças e adolescentes de vulnerabilidade social e gestão de projetos do terceiro setor, fui eleito na presidente do Conselho Municipal de Assistência Social de Alumínio e Conselho Municipal de Direitos Humanos da Criança e Adolescentes. Nessa época pude participar e contribuir com as elaborações das políticas públicas voltadas nas suas respectivas áreas.

Nesse tempo, nas horas vagas, criei alguns movimentos para trabalhar mais especificamente com os jovens, tendo em vista que acredito existir uma carência de estímulo cultural em nossa cidade. Dentre essas iniciativas nasceu o movimento Trinity criado com outro companheiro de longa data Jefferson Silva, cujo objetivo era despertar o senso crítico através de oficinas reflexivas, em seguida vem o projeto Coca Filosófica que é um espaço para a livre expressão de pensamento e cultura viva. para dar vez e voz a assuntos que são vistos como “tabus” pela sociedade idealizado também pela professora, Rubian Leme e pelo Jeferson da Silva com uma parceria da ONG J.T.S Alumínio-SP que tem uma metodologia própria para o jovem e dinamismo necessário para atrair essa faixa etária.

Por último, fui fundador do Movimento Bandeirante com mais dois amigos Jefferson Silva e Guilherme Bonate. Esse projeto traz na sua essência os princípios do escotismo elaborados por Robert Baden-Powell e acredito ter sido um momento muito marcante em minha vida por poder trazer essa filosofia de protagonismo social, cidadania e amor ao próximo aos jovens de nossa comunidade. Atualmente temos mais de cem bandeirantes em nosso núcleo executando reuniões semanais no Centro de Vivência Ambiental da CBA e usando a metodologia própria baseada no aprender fazendo.

Acredito que nesse mundo de valores líquidos e empobrecimento do debate público e privado a honestidade intelectual, o respeito e compromisso com a formação da nova geração seja meu ideal de esforço como cidadão. Que possam sempre existir muitas vertentes do pensamento para enriquecer o debate, mas que o consenso geral seja respeitado e cultivado. O conhecimento sempre será a melhor maneira de acabarmos com preconceitos e ignorância.”