Quem está falando!

Um menino estava louco para matar aula, mas, sabendo que a escola iria ligar para os seus pais, caso ele não aparecesse, resolveu ligar antes. A ligação caiu justamente na mesa do diretor:

-Alô?

Quando Pedrinho percebeu que era o diretor, pensou: – danou-se tudo.

Não podendo mais retroceder, ele engrossou a voz e foi logo falando:

– Estou ligando para avisar que o Pedrinho não vai para a escola hoje.

Desconfiado, o diretor perguntou:

– Quem é que está falando?

E o Pedrinho, sem ter se preparado para perguntas (e sem tempo para pensar), engrossou ainda mais a voz e respondeu:

– Aqui quem está falando é o meu pai! Uiii!

Isso é meio parecido com o que aconteceu comigo por meio de ligações telefônicas também já não aguentando mais receber ligações pedindo resgate, porque estavam com minha filha cativa, (nem filha eu tenho). Em outras ocasiões imitavam a voz de um dos meus filhos informando que tinha se envolvido num acidente de trânsito e seria preciso que eu depositasse uma quantia no banco para pagar a franquia do seguro do veículo de terceiro. Fui até a loja da operadora e mudei o número.

Acontece que não recebi mais aqueles tipos de ligações, mas descobri que existia outro número igual ao meu. Com isso recebia mensagens por outra pessoa e a pessoa recebia por mim, até que recebi sua ligação e fui novamente à operadora e exigi outro número.

Fui atendido, mas agora não aguento mais atender as empresas de cobrança procurando por outra pessoa que com certeza foi proprietária do número que agora é meu, intimando-as a fazer acordos para pagar as contas atrasadas. E não adianta bloquear o tal número, pois eles tem dezenas de linhas.

Outro dia um banco passou-me uma mensagem aprovando um acordo financeiro me enviando os valores das parcelas e o total a ser pago. Agora estou recebendo ligações assim:

– Alô! Estamos procurando o João, se é você diga sim, ou diga não!

Não aguento mais falar não!

A conclusão é que as pessoas não querem mais ser cobradas, se arrependem de ter passado o contato para outros e trocam seus números. Quando a operadora passa o número pra gente, até no meio da noite somos acordados por ligações procurando por outras pessoas que nem imaginamos quem sejam.

Um abraço do Bispo Cláudio a todos os leitores e um abração especial para Jair do Prado taxista e dona Doraci, sua esposa que hoje moram em Indaiatuba. Bom final de semana.