Roteiro do Vinho mantém atividades com medidas de prevenção ao coronavírus

Após o anúncio de diversas medidas no fim de semana para conter o avanço do coronavírus no estado de São Paulo, empresários estão enfrentando momentos de incerteza quanto ao desenvolvimento da economia neste período de “quarentena” recomendado para a toda a população.

O Democrata conversou com Túlio Patto, presidente do Roteiro do Vinho para saber sobre as ações adotadas pelos empreendimentos que recebem, juntos, milhares de pessoas todos os finais de semana.

De acordo com Túlio serão mantidos os horários normais de funcionamento do Roteiro do Vinho e algumas medidas em atenção à prevenção do coronavírus serão tomadas. “Vamos seguir normas de higiene, disponibilizando álcool em gel em todos os setores e máscaras para os turistas que quiserem utilizar. Tomaremos uma medida maior, se caso o município venha a decretar estado de emergência a qual respeitaremos sem qualquer objeção. Estamos acompanhando todas as atualizações e recomendações sobre o assunto e assim podendo seguir novas estratégias a qualquer momento”, explicou.

Em conversa com Lolo Liza, presidente do COMTUR – Conselho Municipal de Turismo, e também proprietário de um bar no Centro, a manutenção em todos os aparelhos de ar condicionado estão acontecendo, além de disponibilizar vários pontos de álcool em gel para os clientes e promover a instrução dos colaboradores. “Precisamos trabalhar para não termos contágio em nossa cidade e também o menor impacto econômico possível”, disse.

Impactos na economia

Em entrevista coletiva promovida nesta tarde pelo Governo do Estado de São Paulo, o governador João Doria, ao lado dos membros do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus, falaram de diversas medidas que estão sendo tomadas nos últimos dias após o aumento de casos no Estado. O impacto econômico nas mais diversas atividades também foi tema da coletiva.

“Tomamos diversas medidas de ordem econômica e deveremos anunciar outras medidas para proteger a atividade econômica, emprego e renda. Estamos preparados também para esse período de crise que se abate após o coronavírus. Não há razão para pânico em São Paulo. Busque informações corretas para aí tomarem suas decisões”, Doria. Uma das medidas foi a liberação de R$ 225 milhões para impulsionar a economia de São Paulo e impedir impactos negativos do coronavírus na geração de emprego e renda. O dinheiro extra será aplicado em programas de incentivo ao empreendedorismo e à geração de emprego e renda.

“Entendemos que esta onda de epidemia vai durar de 4 a 5 meses, o que não significa que as medidas durarão tal tempo. Hoje não temos data. O quanto for necessário às medidas devem permanecer para conter a epidemia”, explicou José Henrique Germann Ferreira, secretário de Saúde do Estado de São Paulo.