São Roque perdeu 177 postos de trabalho de janeiro a julho de 2019

Nas duas últimas Sessões da Câmara o vereador Guto Issa, ao usar a Tribuna, tem demonstrado a sua preocupação com o fechamento de postos de trabalho no comércio e serviços de São Roque.

Embasado em dados do CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, dispositivo usado pelo Ministério do Trabalho e Emprego para acompanhar a situação da mão de obra formal no Brasil, Guto relata que entre janeiro e julho deste ano, 177 vagas de emprego foram fechadas no município, resultantes de empresas que fecharam ou faliram, principalmente no comércio e na região central, que não foi ainda alcançada pelo turismo e tende a encolher ainda mais com a diminuição de empregos.

“São dados importantes que se somam a outros como o fato de São Roque hoje ter pouco mais de 23.000 empregos formais e 23.000 cadastros residenciais, ou seja, apenas uma pessoa em cada residência trabalhando formalmente, o que é muito pouco. Temos uma renda média de 2,3 salários mínimos por pessoa economicamente ativa, enquanto que este índice é de 2,5 em Mairinque, 2,7 em Vargem Grande Paulista e 3,1 em Itapevi”, explica.

Durante seu discurso o vereador mencionou a cidade de Itu como um possível exemplo a ser seguido, uma vez que também é uma estância turística como São Roque, recebe investimentos e apoio do DADE – Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias, mas mantém a possibilidade de implantação de indústrias e se beneficia disso ao ponto de ter seu orçamento anual em crescente aumento, diferente de São Roque, cujo orçamento anual depende em 2/3 dos repasses dos governos estadual e federal, o que evidencia que o município não é capaz de gerar recursos próprios que lhe permitam melhorias para a população.

“É preciso rever nossa matriz econômica, buscar soluções que nos permitam crescer economicamente para melhorar a qualidade de vida, o número de empregos formais e da renda média dos são-roquenses, e essa discussão tem que estar presente em todas as esferas, com empenho e dedicação coletivos porque trata do futuro do município que tristemente tem empobrecido nos últimos anos”, finaliza.

FONTE: Assessoria de Imprensa