Casos de doenças alérgicas aumentam na primavera; veja como se prevenir

Quem sofre com doenças alérgicas, como a rinite, sabe que quando chega a primavera o nariz já começa a coçar. É só os jardins ficarem mais coloridos que os espirros entram em cena acompanhados de coceira nos olhos e nariz congestionado. Mas você sabe o motivo de tanto incômodo? 

O pneumologista Carlos Eurico Pereira explica que essa irritação ocorre por causa da polinização das flores. Este processo pode ser por meio do vento e até por insetos, como abelhas e borboletas. “O mais comum ainda é a rinite, uma doença respiratória que causa corrimento, obstrução e coceira nasal, e espirros”, falou. 

Ele alerta que a rinite, se não tratada, pode evoluir para uma sinusite, que é a inflação da mucosa dos seios da face.  “Ainda temos a asma que se caracteriza por tosse seca, chiado no peito e sensação de falta de ar. Além da conjuntivite alérgica, com muita coceira e irritação nos olhos, e a dermatite atópica, caracteriza por apresentar erupções na pele que coçam”, ressaltou.

Quem está propenso às alergias?

O médico comenta que estas doenças são de origem genética, ou seja, herdadas pela família. “Elas não têm cura, mas é possível fazer um controle preventivo. Na rinite com spray nasal anti-inflamatórios que ajudam a reduzir o processo inflamatório e, como consequência, os sintomas. Já a asma tem o uso de bombinhas”, disse.

O pneumologista garante que estes remédios são seguros. “Se comenta que podem fazer mal para o coração, o que não é verdade. São medicamentos extremamente seguros”, enfatizou. Ele ainda ressalta que todos os processos alérgicos podem ocorrer em qualquer faixa etária da vida, tanto para crianças e adolescentes quanto para adultos e idosos. 

Alergia a poeira

Além da polinização, a rinite por ser desencadeada pela poeira, ou melhor dizendo, pelos ácaros. Para isso, conforme o Ministério da Saúde, deve-se ter um controle mais rigoroso no ambiente do alérgico. Medidas simples, como manter sempre o local limpo, evitar acúmulo de poeira, não fumar, beber bastante água e se alimentar de forma saudável são fundamentais para viver bem e evitar as crises.


Cuidados

Conforme a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, alguns cuidados básicos ajudam na diminuição de sintomas alérgicos por causa da polinização

– Manter janelas fechadas à noite. Utilizar ar condicionado com filtro, quando for possível;
– Manter as janelas do carro fechadas;
– Permanecer o maior tempo possível dentro de casa, durante os dias de maior concentração polínica, ou seja, naqueles ensolarados, quentes, secos e ventosos;
– Lembre-se que a fumaça de cigarro pode agravar os sintomas de alergia;
– Ao sair usar óculos de sol, para diminuir a impactação de pólens nos olhos;
– Evitar andar de moto ou bicicleta sem proteção para os olhos;
– Evitar passear em clubes de campo, cortar grama ou serviços de jardinagem;
– Tomar banho à noite e lavar os cabelos, para evitar a deposição de pólens no travesseiro e cama. Evitar colocar roupas para secar no exterior. Roupas úmidas coletam pólens que podem agravar a alergia;
– Tomar medicação prescrita pelo seu médico. Alguns antialérgicos mais antigos causam sonolência. Cuidado, portanto, ao dirigir automóvel, ou operar máquinas.