Cuidados para prevenir o coronavírus devem ser tomados durante a ida ao dentista

A eficiência do uso de máscaras contra a disseminação do coronavírus é comprovada pelo órgãos mundiais da área da saúde. Com a retomada gradativa dos atendimentos eletivos no horizonte, o reforço de medidas de biossegurança é fundamental para tornar a ida aos consultórios uma experiência mais tranquila para o paciente.

O cirurgião-dentista deve seguir todas as recomendações de higiene e paramentação, e o paciente também precisa fazer a sua parte. Neste sentido, orientações a caminho da clínica ou consultório, na chegada e na saída são essenciais. Se todas as diretrizes de segurança forem respeitadas, o risco de contaminação é bastante reduzido.

Antes da consulta             

É fundamental que, no momento de agendamento de horário, o paciente relate ao profissional sua condição de saúde nos últimos 14 dias. Essa informação deve ainda ser confirmada no próprio dia do atendimento com uma hora de antecedência, no mínimo.

No dia da consulta, ainda em casa, o paciente deve realizar a higiene bucal completa, sempre lavando as mãos antes da escovação e da utilização do fio dental.

A orientação é que ele vá ao consultório preferencialmente sozinho. Caso não seja possível, o ideal é o acompanhante permanecer fora da sala de atendimento.

A escolha do meio de transporte também é muito importante. Caso não seja possível usar meios privados – como carros próprios, de aplicativo ou táxis -, o recomendado é tentar agendar o atendimento em horários que não sejam de pico para evitar aglomerações nos transportes públicos.

Seja no ônibus ou no metrô, já devidamente protegido pela máscara, o paciente deve evitar tocar os olhos, a boca ou o nariz, e manter, se possível, uma distância de dois metros das pessoas. Além disso, levar sempre na bolsa álcool gel higienizante ajuda a manter as mãos protegidas.

Chegando ao consultório

Ao chegar ao consultório ou clínica, o recomendado é que todos os pertences sejam colocados em uma sacola descartável de plástico ou de papel. A medida é importante para não quebrar a cadeia de biossegurança. Muitos consultórios já oferecem a sacola assim que o paciente chega, mas ele também pode trazer a sua de casa, desde que já higienizada.

Em seguida, é necessária a higienização correta das mãos no lavabo com água e sabão.

A máscara deve ser removida somente na hora do atendimento clínico. Ela também deve ser colocada em um saco plástico e mantida até o término da consulta.

“O profissional de saúde bucal sempre esteve atento às diretrizes de higiene e biossegurança. Aumentamos ainda mais os cuidados que já eram habituais no consultório para receber os pacientes diante da pandemia do novo coronavírus. Estamos respeitando todas as normas. O espaçamento entre as consultas é um ponto que todos devem observar. A equipe está preparada para essa e outras situações infectocontagiosas e sempre tomou as devidas providências no cuidado de sua saúde e a dos pacientes”, assegura Mary Caroline Macedo, membro do Grupo de Trabalho de Biossegurança do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP).

Na hora da saída

Ao pegar seus pertences para sair, o paciente deve descartar o saco plástico ainda na sala de atendimento. Na recepção ou no lavabo, deve realizar, novamente, a higienização das mãos e recolocar a máscara.

Preferencialmente, após a consulta odontológica, o paciente deve ir diretamente para a residência, por questão de segurança individual e coletiva.