Especialista explica como exercício ajuda a combater a COVID-19

A prática regular de atividade física melhora o condicionamento do corpo, a resistência e eleva a imunidade, diminuindo o risco de desenvolver a forma mais grave da covid-19, aponta um estudo norte-americano feito com quase 50 mil adultos que tiveram diagnóstico positivo para o vírus publicado recentemente no British Journal of Sports Medicine. “Quem faz algum tipo de atividade física tem melhor desempenho dos glóbulos brancos e de todo sistema de defesa do organismo para não ser afetado por qualquer agente infeccioso. Uma pesquisa brasileira também mostrou que o hormônio irisina liberado durante a sua prática dificulta a entrada do vírus na célula de gordura”, explica o doutor em anatomia humana e neuroanatomia, Mario Sabha Jr.

A pesquisa norte-americana concluiu que pessoas sedentárias há pelo menos dois anos tinham mais risco de serem hospitalizadas e precisarem de cuidados mais intensos. “Esse estilo de vida não só pode agravar os efeitos da covid como compromete o sistema imunológico e piora o quadro de pacientes com problemas hormonais, enzimáticos, metabólicos e doenças autoimunes. Além disso, essas pessoas são mais propensas a desenvolver doenças cardiorrespiratórias e outras cardiopatias”, diz Sabha.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda para adultos 300 minutos semanais de atividade aeróbica moderada ou 150 minutos de intensa, incluindo quem vive com doenças crônicas ou possui algum tipo de incapacidade. Para crianças e adolescentes, a orientação é de pelo menos 60 minutos por dia.

Sabha ressalta que mesmo em tempos de pandemia e diante de todas as restrições impostas, é importante encontrar formas de se exercitar. “As pessoas devem continuar se exercitando, seja dando uma volta no próprio quintal ou até com a ajuda de um personal on-line, que consiga indicar exercícios adequados para a sua condição”, orienta. “A prática de atividade ativa as bombas de sódio, cálcio e potássio dentro do músculo, aumenta o bombeamento de sangue, ajuda a estabilizar a pressão e a frequência cardíaca e melhora o sono proporcionando uma qualidade de vida melhor”, completa.

Ele também orienta a procurar tratamentos que atuem na reestruturação do corpo e da mente. “Acupuntura com moxabustão a as terapias metafísicas acompanhadas pela neurociência ajudam a melhorar a imunidade trabalhando a parte emocional”, diz o doutor em neuroanatomia. “Além disso, manter uma alimentação saudável, se hidratar e dormir bem são grandes aliados da atividade física essenciais para ter resultados satisfatórios”, finaliza.

Dicas para melhorar a imunidade

  • Tenha uma alimentação saudável;
  • Desenvolva o hábito de meditar;
  • Busque tratamentos de reequilíbrio físico e mental por meio de terapias integrativas;
  • Faça caminhadas no quintal;
  • Suba e desça escadas;
  • Pule corda;
  • Faça polichinelos.