Fluorose: o que é e quais seus impactos

O cuidado com a saúde dos dentes infantis é extremamente importante para o desenvolvimento da criança e pode afetar até a vida adulta do paciente. Assim, os problemas bucais que acometem os dentes de leite, como a fluorose, podem voltar a acontecer mesmo após a troca para a dentição permanente.

Isso acontece porque, na tentativa de manter a cavidade oral livre das ações bacterianas e de seus efeitos danosos, muitas vezes os pais acabam utilizando uma quantidade de creme dental maior do que a necessária, e isso pode prejudicar os dentes – mais do que ajudar.

Esse problema, ainda que seja mais comum em crianças, também pode se dar em pacientes adultos, interferindo na aparência dos dentes e no sorriso como um todo. Contudo, os efeitos não desaparecem com o tempo.

Por isso, é preciso manter-se atento às consequências do uso inadequado dos produtos de higiene oral e as formas de prevenir o surgimento desse tipo de ocorrência.  

O que é a fluorose?

A fluorose, ou excesso de flúor, acontece principalmente durante o processo de nascimento dos dentes, por meio da ingestão de grandes quantidades de fluoreto. 

Neste caso, a substância é acumulada no esmalte dentário da criança, alterando o aspecto geral da dentição.

Contudo, os sintomas dessa condição também podem se iniciar na fase adulta – ainda que seja um pouco mais raro esse tipo de ocorrência. Em ambos os casos, os sintomas não desaparecem sem a intervenção odontológica e o tratamento profissional.

Por isso, é preciso se atentar às causas e sintomas para prevenir a ocorrência e o agravamento dos quadros, principalmente porque, na troca dental, os permanentes podem sofrer com manchas e até enfraquecimento da estrutura.

Principais causas

O flúor é essencial para garantir a resistência dos dentes contra o ataque e a erosão causada pelas bactérias bucais, que dão origem às cáries, inflamações dentárias e gengivais. 

No entanto, a ingestão em excesso é o que dá origem a problemas na aparência dos dentes.

O consumo do flúor em excesso pode se dar por meio da:

  • Escovação com o uso de muito creme dental;
  • Deglutição da pasta de dente infantil;
  • Hidratação com água muito fluoretada;
  • Ingestão de alimentos industrializados com a adição de flúor;
  • Durante a aplicação profissional inadequada.

Cabe ressaltar neste ponto que, em relação à deglutição, pode ocorrer devido ao sabor agradável ou a incapacidade de cuspir dos pequenos.

Contudo, a escovação realizada três vezes ao dia – ou em maior quantidade, em situações especiais, como quando o paciente utiliza o aparelho ortodôntico – dificilmente causará a fluorose.

O que o faz é a ingestão, por um longo período de tempo, da pasta de dente com uma concentração de flúor muito superior ao indicado para a idade do paciente, ou em combinação com alimentos e água muito fluoretada.

Quais são os sintomas?

Os principais sintomas do consumo em excesso do flúor é o aparecimento de manchas esbranquiçadas e opacas ou, de acordo com a severidade do problema, amarronzadas na superfície dos dentes. Essas manchas possuem formato e tonalidades irregulares.

Além disso, o excesso de flúor no esmalte pode alterar a capacidade de remineralização dos tecidos dentários, fazendo com que eles fiquem mais suscetíveis à ação bacteriana, mais porosos e, em alguns casos, com maior sensibilidade e dores.

É possível, ainda, que os efeitos sejam tão severos que o paciente sofra consequências na estruturação dentária, que podem resultar na perda do dente.

Prevenção e formas de tratar

O tratamento do quadro se inicia com a micro abrasão, que consiste em um pequeno desgaste da parte manchada dos dentes, seguido pela realização do clareamento dental. Assim, é possível padronizar a coloração enquanto é preservada a estrutura do dente. 

Nos casos mais leves, o clareamento já consegue suavizar a diferença de tom entre a mancha e a dentição.

Contudo, em situações nas quais as manchas se tornam muito extensas e escuras, o cirurgião-dentista precisará optar por métodos corretivos e, por vezes, mais severos para esconder essas marcas. 

Para isso, ele pode optar pela colocação das coroas dentárias ou a aplicação da lente de contato dental.

A principal forma de prevenir o aparecimento da fluorose é com a utilização de cremes dentais e enxaguantes bucais adequados para cada idade da criança – geralmente essa recomendação vem descrita na embalagem do produto.

Além disso, a instrução quanto às formas corretas de escovar os dentes e a importância de não engolir a pasta é fundamental. É preciso, também, que os pais incentivem o enxágue com água após o uso da pasta.

Os pacientes que utilizam o aparelho de dente devem ficar atentos às desmineralização do esmalte, pois ainda que esta pode se dar devido à falta de flúor, ela também pode ocorrer por causa do excesso do produto. Para esses casos, o tratamento deve ser completamente diferente.

A consulta regular com um dentista também é essencial para a identificação dos problemas com o processo de higienização bucal, o acompanhamento do desenvolvimento dos dentes e a verificação quanto à necessidade de intervenções e tratamentos, como a colocação de um implante dentário – no caso dos adultos que tiveram as estruturas dentais muito comprometidas. 

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Qualivida Online, site no qual é possível encontrar diversas informações e conteúdos sobre os cuidados com a saúde física e mental.