Mastopexia e implante mamário: conheça as diferenças entre esses procedimentos

Brasil ultrapassa os Estados Unidos e lidera ranking de procura por procedimentos estéticos

Seja por estética e busca da melhor autoestima ou pela necessidade, a mastopexia – cirurgia com a intenção de levantar os seios -, tem sido cada vez mais procurada nos consultórios de cirurgia plástica. Com base nos dados retirados do estudo feito pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), divulgado em dezembro de 2019, esse tipo de procedimento é o quinto mais procurado no País e, somado as outras técnicas, coloca os brasileiros no topo do ranking de procura por este tipo de serviço. 

Mesmo sendo comum, várias dúvidas rondam os consultórios de pessoas interessadas neste procedimento. O cirurgião plástico Arthur Barros, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica (ASPS) e da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS), explica em quais casos o implante mamário é recomendado. “Frequentemente, ela [a cirurgia] é indicada após a gestação ou o emagrecimento – depois de uma cirurgia bariátrica, por exemplo -, ambas situações que resultam em flacidez e, em algumas vezes, redução do volume mamário”, explica.

Mas os interessados não precisam se enquadrar nestes perfis para terem indicação à cirurgia, pois o implante mamário, procedimento estético mais procurado no Brasil, está, muitas vezes, associado a mastopexia – também conhecido como “lifting mamário” -, para complementar o processo de remodelação e aumento dos seios. O cirurgião, neste caso, conta que além de remodelar, o implante também é procurado por sua rápida recuperação, melhorando o resultado estético e dando consistência às mamas a longo prazo.

Os cuidados com o pós-operatório e com o dia a dia após os procedimentos devem sempre ser levados em conta. Por exemplo, apesar da rápida recuperação, Arthur indica que os implantes localizados abaixo do músculo tendem a doer mais no pós-cirúrgico. Porém, o cuidado no cotidiano é tão importante quanto na cirurgia. “Os exames periódicos das mamas devem ser feitos anualmente, ou de acordo com orientação do médico do paciente”.

O médico também ressalta que a mastopexia com prótese não tem o resultado igual ao da mamoplastia de aumento, recomendada em casos onde não há flacidez. Nestas condições, para a pele sem flacidez ou estrias, há um resultado melhor e mais duradouro, justamente por haver uma qualidade de pele superior.