Na Itália, segunda onda de Covid-19 deixa hospitais à beira do colapso

Associações de médicos e enfermeiros da Itália afirmaram que a situação hospitalar do país está “à beira do colapso por falta de pessoal e falta de leitos”. Segundo essas entidades, o problema está sendo causado pela “afluência anormal de pacientes por causa da rápida e vertiginosa propagação da Covid-19“, sendo que em algumas regiões as taxas de ocupação hospitalar estão acima de 100%.

Na quarta-feira, 11, o número de pessoas contaminadas pelo coronavírus superaram a marca de um milhão, sendo que 29 500 tiveram que ser hospitalizadas.

Em carta, as associações explicaram que a situação pode fazer com que o acesso aos hospitais para pacientes com outras doenças diminua, além da “incapacidade de garantir padrões de qualidade e atendimento para todos os pacientes crônicos e agudos sem Covid-19”. “Todos nós experimentamos todos os dias grandes dificuldades para receber, atender e transferir os muitos pacientes que chegam ao pronto-socorro em números que excedem a capacidade de nossas estruturas”, afirmaram.

Assim como outros países da Europa, a Itália está enfrenta uma segunda onda de coronavírus ainda mais grave do que a primeira. Quatro regiões do país já entraram em lockdown até o dia 3 de dezembro, mas a mídia local levanta a possibilidade de um confinamento nacional ser decretado nos próximos dias. Na quarta-feira, 10, o Instituto Superior de Saúde da Itália que existe a possibilidade de uma epidemia descontrolada ser registrada em todo o território.

*Com informações da EFE e JP