Semana da Covid-19

Essa semana foi de fato da Covid-19. O coronavírus derramou sobre o Brasil a força mais cruel desde o começo da pandemia. Um número de óbitos horroroso e hospitais em colapso, enquanto políticos brigam por quem tem mais razão e corruptos desviam milhões e milhões em verbas que deveriam estar salvando vidas. A vacina é distribuída muito mais rapidamente do que é produzida e os grupos prioritários, mesmo vacinados apresentam sintomas da doença e abalam a moral da sociedade.

Mesmo com todo esforço da maioria da população, o comércio novamente é atacado como vilão e tem as portas fechadas. Os acordos, porém, mantém setores como das indústrias e das igrejas funcionando, assim como os ônibus viajam para lá e para cá totalmente lotados. Trens e metrô então, nem se fala. Aeroportos funcionando normalmente e as festas clandestinas não recebem a devida atenção.

Neste momento, a sociedade tem que mostrar força. Neste semanário, em 1919, relatávamos o esforço abnegado de voluntários que socorriam as pacientes da Gripe Espanhola, carregando e cuidando dos acamados na cidade sem nem a metade dos equipamentos de segurança que temos hoje e, talvez, sem 1% da informação que circula nos tempos atuais. Vítimas dessa terrível tragédia do passado servem de exemplo para como devemos seguir no futuro. É hora de arregaçar as mangas e fazer a nossa parte. Se o próximo não faz a parte dele, dobremos nossos esforços, tripliquemos. Chega de reclamar e vamos começar a agir como adultos que somos ao enfrentar um problema real, mas muito pequeno em face ao que a humanidade já enfrentou.