AgroNotícias por Mauricio Picazo Galhardo

NOBEL

O jornal Folha de S.Paulo noticiou que o Brasil terá um indicado para o Prêmio Nobel da Paz de 2021: Alysson Paolinelli. Com 84 anos, é, desde quando se graduou em engenharia agronômica, em 1959, um entusiasta pelas tecnologias e inovações no campo, passos importantes para o aumento de produtividade e para maior oferta de alimentos. Além dos muitos anos dedicados ao campo, Paolinelli teve importante participação na política agrícola brasileira. Professor, secretário de Agricultura de Minas Gerais por três vezes, ministro da Agricultura nos anos de 1970 e deputado federal no período da Constituinte, abriu caminho para a saída do Brasil de uma dependência alimentar para a posição de um dos principais exportadores mundiais de alimentos.
ECONOMIA

Com o objetivo de apoiar os produtores rurais e manter a produtividade, especialmente durante a pandemia causada pelo Novo Coronavírus, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) agilizou a transformação de diferentes serviços ao cidadão, que antes eram realizados de forma presencial, para a forma eletrônica. Desde o início de março deste ano, foram transformados em digitais 50 serviços públicos, com atendimento completamente virtual por meio do portal Gov.BR. Desde janeiro do ano passado, o Mapa já digitalizou 81 serviços.
PESCA

A Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou Portaria, que estabelece os critérios e requisitos higiênico-sanitários de embarcações pesqueiras de produção primária que fornecem matéria-prima para o processamento industrial de produtos da pesca destinados ao mercado nacional e internacional. A medida tem como objetivo a melhoria contínua da cadeia produtiva primária da pesca, por meio da adoção de práticas higiênico-sanitárias a bordo das embarcações.
PAUTAS

A Sociedade Rural Brasileira termina o ano de 2020 com o sentimento de dever cumprido e motivada para trabalhar ainda mais em 2021. Em carta divulgada aos associados, a presidente da SRB, Teresa Vendramini pondera que o ano foi muito desafiador: “enfrentar uma pandemia como a Covid-19 é algo que mexeu com nossas vidas, nossos negócios, nossa visão de mundo, mas também foi um período de muitas vitórias e aprendizados”, afirmou.

COMPENSAÇÕES

O Diário Oficial da União publicou, a Lei Complementar 176, de 2020, que formaliza o acordo entre União, estados e municípios para encerrar disputas judiciais pelas perdas de arrecadação com a Lei Kandir. Segundo a nova legislação, os entes federativos receberão os recursos em parcelas anuais, de 2020 até 2037, com a liberação de R$ 4 bilhões prevista ainda para 2020.
DESMATAMENTO

Ao fazer um balanço sobre a situação do meio ambiente no Brasil, a advogada especialista em direito ambiental, Samanta Pineda, pontuou que 2020 foi marcado pela prevalência de notícias ruins, principalmente pela mídia internacional. Na opinião da especialista, o País precisa difundir com mais eficiência, tanto interna quanto externamente, as regras impostas pelo Código Florestal, “um dos mais rígidos do mundo”. Segundo Pineda, a geração de títulos verdes também é uma aposta para impulsionar a agricultura de baixo carbono.
PRODUTOS

Dentro da missão de produzir dados da agropecuária brasileira, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) ampliou o painel de Produtos 360° apresentados no Portal de Informações Agropecuárias. Agora é possível ter uma visão geral não só do milho como dos dos principais produtos cultivados no país. A partir deste mês de dezembro, o painel passou a apresentar também dados, por produto, de soja, arroz, feijão, trigo e café. Em relação às seis culturas, estão disponíveis várias informações.
UVA

O ano foi marcado por oferta controlada de uva de mesa no mercado interno. No primeiro semestre, a produção do Vale do São Francisco (PE/BA) foi fortemente afetada pelas chuvas, ao mesmo tempo em que as exportações estiveram aquecidas e as importações, restritas. Assim, apesar da pandemia, essa menor oferta beneficiou viticultores de São Paulo e do Paraná, permitindo rentabilidade acima do esperado. No segundo semestre, mesmo após a recuperação da produção no Vale, a demanda externa continuou elevada, e com o dólar valorizado, produtores priorizaram os envios.

* O jornalista Mauricio Picazo Galhardo tem 63 anos, é paulistano. Esteve por dois anos morando no exterior; na República Oriental do Uruguai, República do Paraguai e República Argentina. Em 2013 se interessou pelo setor do agronegócio, e agora tem esta coluna semanal de noticias do agronegócio em geral. Também é o autor do quadrinho semanal Agro-Cartoon, publicado no site:www.agro-cartoons.blogspot.com.br. Email: mauricio.picazo.galhardo@gmail.com