Após anos de reivindicações, Estrada Municipal do Caetê receberá asfalto

A obra beneficiará moradores dez bairros, além dos que utilizam a via com destino à Ibiúna

A Prefeitura de São Roque começa na próxima segunda-feira, dia 26, a pavimentação da Estrada Municipal do Caetê, antiga reivindicação dos moradores daquela região.

O prefeito Claudio Góes acompanhado dos vereadores Etelvino Nogueira e Maurinho Góes, assinou na terça-feira (20), a ordem de serviço para o início das obras.

A Fase 1 da obra terá 2,9 km de extensão a um custo de R$ 2,5 milhões e será executada pela TPD Engenharia Ltda. EPP, vencedora da licitação. Os recursos foram disponibilizados pelo DADETUR (Departamento de Apoio ao Desenvolvimento dos Municípios Turísticos), e o prazo para conclusão da pavimentação é de seis meses.

Segundo o Departamento de Planejamento e Meio Ambiente, o projeto prevê a realização de serviços de pavimentação, terraplanagem, drenagem e a execução de mais 21 mil metros quadrados de asfalto.
A empresa que ganhou a concorrência pública deverá concluir os serviços em até 180 dias. “O investimento é de R$ 2.512.940,45 e o projeto contempla, nesta primeira fase, a pavimentação de 2,9 quilômetros de estrada, com as pistas de sete metros, serviços de terraplanagem e drenagem. Já a segunda faz, e se encontra em andamento para que seja efetuada a licitação, com projeto e recursos já aprovados para o término da obra”, explica o vereador Etelvino.

Nossa equipe de reportagem se dirigiu até o local, onde serão realizadas as obras para conversar com alguns moradores e comerciantes sobre as melhorias que esse serviço irá trazer para a região.
“Depois de muitos anos de reivindicação conseguimos ser vistos pelo poder público, em dias de chuva, como a que deu na última terça-feira, dia 20, fica intransitável em algumas partes. Devido ao grande número de caminhões que passam para cortar o pedágio, muitos buracos se formam na via, colocando em risco a vida dos pedestres e dos próprios motoristas”, disse Antônio, que é proprietário de um comércio local.

Com a pavimentação, seu Antônio espera dobrar o número de clientes em seu estabelecimento. “Muitas pessoas deixam de vir aqui por o acesso ser muito complicado, agora com esta reforma, São Roque pode ter outro roteiro turístico”, comentou.

Para o morador José da Silva, a segurança para os pedestres que utilizam a Estrada Municipal do Caetê também deve ser encarada como prioridade pelos gestores municipais. “Se com a rua toda esburacada e cheia de lama, os carros e caminhões já correm feito ‘loucos’, imagine agora com asfalto. Após a pavimentação precisamos de lombadas, calçadas e radares aqui, a fim de evitar tragédias”, desabafou José.

Questionada sobre a segurança dos pedestres, a prefeitura informou que após a pavimentação, é de costume que uma equipe do Departamento de Trânsito realize um estudo para ver qual a melhor forma de assegurar o pedestre. A exemplo da estrada Darcy Penteado, que recebeu sinalização na via adequada aos que passam a pé pelo local. Algumas opções são a construção de lombadas, calçadas ou até mesmo a implantação de um radar no local, para inibir os motoristas que abusam da velocidade.

As obras vão beneficiar os bairros do Carmo, Caetê, Chácara Aurora, Vila Lino, Sun Valley, Chácara Santa Lúcia, Vale dos Pássaros, Vale das Andorinhas, Las Brisas e Monte Verde, além do motorista que utiliza a via para acessar a cidade de Ibiúna.

A segunda fase da obra já está em processo licitatório e complementa a pavimentação dos 900 metros restantes da via. O convênio para a segunda fase é de aproximadamente R$ 1.150.000,00.

Para o Prefeito Cláudio Góes, as obras são de extrema importância, pois, além de melhorar as condições de tráfego no local, põe fim a transtornos vividos pela população. “Com a pavimentação concluída, os moradores poderão sair e voltar para suas casas com tranquilidade, o que não acontecia anteriormente, por exemplo, nos períodos de chuva, que castigava a estrada e causava problemas. O asfalto facilita tudo, o transporte público, a coleta de lixo, a entrega de mercadorias. É um benefício imensurável”, conta.