Após mortes suspeitas, Vigilância Sanitária interdita Unidade de Hemodiálise em São Roque

A Prefeitura de São Roque, por meio da Vigilância Sanitária (VISA) do Departamento de Saúde enviou uma nota informando a interdição cautelar temporária da Unidade de Hemodiálise do município, por suspeita de contaminação. O auto de interdição foi emitido ao Centro Médico e Nefrológico (CENEME), OSCIP que gerencia a Unidade, na tarde desta terça-feira (2).

“Com isso, os 52 pacientes renais crônicos, moradores de São Roque, que se tratam na Unidade serão conduzidos ao centro de atendimento da região, até a liberação da Unidade. Segundo a nota, a prefeitura vai garantir o transporte. Outros municípios que utilizam os serviços da Unidade também já foram notificados para adoção das providências”, diz trecho da nota enviada pela prefeitura.

De acordo com o chefe da Vigilância Sanitária, Francisco Cruz, a situação foi levada aos grupos de Vigilância Sanitária e Epidemiológica (GVS/GVE – Sorocaba) para a realização de uma inspeção local, a fim de chegar à identificação. A Prefeitura de São Roque, por meio da VISA, também conduzirá uma investigação interna para apurar responsabilidades e providências a serem adotadas.

Mortes

Nas últimas semanas, 11 pacientes que sofriam de problemas renais e que faziam tratamento na Unidade de Hemodiálise de São Roque, acabaram falecendo. Até o momento, estas mortes não tem relação com a contaminação no local.

“A Vigilância Sanitária só vai autorizar o retorno dos serviços quando tivermos 100% de segurança que todos os procedimentos foram adotados e descartarmos qualquer risco aos pacientes”, afirma o chefe da VISA.

“A Hemodiálise é oferecida pelo SUS e administrado pela OSCIP CEMENE (Centro Médico e Nefrológico). Cabe à Prefeitura, por meio dos mecanismos de saúde, acompanhar e fiscalizar os serviços. Portanto essa medida de interditar o local tem o fim de garantir que todos os protocolos de prevenção e controle de infecções e de segurança do paciente sejam rigorosamente cumpridos”, afirma Daniela Groke, chefe da Divisão de Saúde da Prefeitura”,