Atingir o “ponto de não retorno” é essencial para o crescimento e realização de projetos

Mudar os hábitos ou tomar decisões que irão mexer com a estabilidade é complicado para muita gente. Uma pesquisa feita pelo Opinion Box e a Locaweb no ano passado mostrou que, tanto consumidores quanto gestores têm dificuldades nesse processo. Mais de dois mil consumidores e 500 gestores foram ouvidos. Em geral, os gestores se consideram pessoas mais decididas que os consumidores. 67% dos gestores afirmam que são decididos ou muito decididos. Entre os consumidores, este número cai para 50%.

Os resultados mostram que, ainda que os gestores tenham mais facilidade em tomar decisões corriqueiras no dia a dia e gastem menos tempo nessas tarefas, os dois grupos apresentam o mesmo nível de dificuldade para lidar com mudanças ou situações imprevistas. Segundo o especialista e mentor em Networking, Roque Gonçalves, uma decisão, seja de qualquer porte, da compra de uma roupa à mudança de país, envolve mais que uma simples escolha. “A grande maioria das pessoas tem dificuldade em tomar uma decisão porque não planeja e muitas vezes não consegue enxergar o ‘todo’ que aquela mudança pode proporcionar. O medo de afetar a estabilidade faz com que a pessoa não saia do lugar. Ela não tenta, mas também não progride. Aqueles que se arriscam mais, geralmente não buscam estabilidade, mas sim o crescimento, e este traz constante evolução”.

Para conquistar as mudanças, lidar bem com elas e saber que está na direção certa é necessário atingir o chamado “ponto de não retorno”, que na linguagem dos pilotos de aeronaves, refere-se ao local do trajeto em que o combustível restante na aeronave é suficiente para alcançar o destino e insuficiente para retornar em segurança ao local de partida ou de reabastecimento. “Para falarmos de relacionamentos e decisões, essa expressão descreve com clareza aquela decisão sem volta que pode te levar a caminhos definitivos e transformadores. Compreender que outros fatores mudaram ao longo do caminho e a única opção é seguir em frente. O ponto de não retorno é muito importante para que uma nova percepção nasça, novos aprendizados te levem aos objetivos que você traçou. Por isso, não deixe a dúvida te desanimar”, reforça Gonçalves.

Além da possibilidade de escolher um caminho “certo ou errado”, o processo de decisão sofre muitas influências externas, como opiniões, conselhos ou críticas, que muitas vezes desencorajam. “Temos muitos fatores externos o tempo todo ao nosso redor. Lidar com a pressão ou até mesmo a derrota não é fácil, mas aí é que está o ponto chave. Desistir é mais cômodo do que encarar o problema e então a derrota se torna permanente. Geralmente quem fala ou critica não quer ver o outro em posição superior, não tem a coragem de colocar os planos em ação. Portanto não se deixe influenciar pela opinião alheia. Tome sua decisão confiando nos seus instintos. Planeje e arrisque”, orienta.

Roque Gonçalves é palestrante e treinador, especialista em Networking. Formado em Liderança, Inteligência Interpessoal e Comunicação Eficaz pelo Grupo Master Mind; Professional Coaching Practitioner pela Abracoaching, possui experiência de mais de 5 anos em Network Marketing, ministrando treinamentos e palestras motivacionais para o mais diversos grupos de pessoas.