Com alta nos casos da Covid-19, estados proíbem festas de fim de ano

A alta nos casos da Covid-19 já provoca impacto nas festas de fim de ano no Brasil, com proibição de comemorações ao longo de dezembro, toque de recolher e suspensão do consumo de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes. Medidas anunciadas em Estados como Bahia, Minas, Paraná e Santa Catarina já mostram como festas e encontros tradicionais da época do ano estão sendo atingidos pelas medidas anticovid. O governo da Bahia, por exemplo, proibiu ontem a realização de shows e festas, públicas ou privadas, em todo o Estado até o dia 17, independentemente do número de participantes – e com a decisão veio um “indicativo” de que a medida será prorrogada.

No Paraná, a proibição é para festas e confraternizações com mais de dez pessoas – e a decisão inclui toque de recolher das 23 às 5 horas e suspensão da venda e consumo de bebidas alcoólicas em espaços públicos nesse horário. A determinação vale por 15 dias e começou a valer anteontem, quinta-feira, podendo igualmente ser renovada. Nesse caminho, Santa Catarina terá toque de recolher e portas fechadas às 23 horas. Em Belo Horizonte, em novo recuo da reabertura da economia por causa do aumento nos casos de covid-19, a prefeitura proibiu ontem, começando a valer na segunda-feira, o consumo de bebidas alcoólicas em bares e restaurantes.

O município recomenda que ninguém organize ou participe de confraternizações de fim de ano e não haja convite ao público para as inaugurações de iluminações de Natal. A mais famosa delas, na Praça da Liberdade é organizada pelo governo estadual. Autorizações para grandes festas já estão proibidas, o que inclui réveillon. Clubes da cidade que realizam essa comemoração já começaram a anunciar o seu cancelamento aos sócios.